Logo ME

O que é inversão térmica?

Pelas leis da natureza, o ar quente (mais leve) está sempre subindo, e o ar frio, (mais pesado), sempre descendo. Ao amanhecer, o sol aquece o solo, fazendo com que o ar próximo a ele também tenda a subir.

Em alguns dias do inverno, porém, a camada de ar rente ao solo torna-se ainda mais gelada que a camada imediatamente acima dela. Como as camadas mais elevadas também são frias, forma-se um “sanduíche”: uma faixa quente entre duas faixas frias. Essa combinação faz com que a camada gelada, junto ao solo, não consiga se dissipar. “O fenômeno ocorre quando há muita umidade próxima à superfície da Terra, em geral logo após a passagem de uma frente fria”, diz o meteorologista Francisco Alves do Nascimento, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), de Brasília.

Essa situação se torna um problema nas grandes metrópoles, onde a poluição do ar piora bastante, elevando a incidência de doenças respiratórias e alérgicas entre a população. Isso porque, de manhã, quando surge a inversão térmica, uma grande quantidade de automóveis sai às ruas, liberando gases tóxicos como o monóxido de carbono. O tormento tende a se agravar em dias sem ventos, que facilitariam a dispersão dos poluentes.

Sujeira aprisionada
Alterações de temperatura e umidade retêm a poluição junto ao solo

Num dia normal

Sob maior pressão e menor temperatura, as camadas mais altas da atmosfera fazem com que o ar de cima, mais pesado, vá para baixo

O sol esquenta o chão e também o ar junto à sua superfície. Resultado: ele fica mais leve e sobe, levando consigo a poluição causada pela fumaça dos automóveis

Numa manhã de inversão térmica

Nos dias mais úmidos do inverno, o ar próximo ao solo torna-se ainda mais frio que o das camadas mais elevadas da atmosfera. Isso faz com que ele fique preso ao chão, segurando a poluição