Logo ME

O que é “whitewashing”? (E 6 casos polêmicos)

Entenda a polêmica por trás da escalação de atores brancos para interpretar personagens de outras etnias

A Grande Muralha, que estreou no início de fevereiro deste ano, claro, se passa no mais famoso monumento da China. Mas não estranhe se você notar que a palavra mais associada ao filme é um termo em inglês, não em mandarim.

O épico vem sendo criticado por promover o “whitewashing“: a escalação de brancos em papéis que deveriam pertencer a atores de outras etnias ou a decisão de colocar sempre um personagem branco como herói – mesmo em histórias que se passam em outra cultura ou país. No caso, William Garin (Matt Damon), e uma tropa de elite se posicionam na muralha para impedir o avanço de monstros taotie, da mitologia chinesa.

O filme não foi o único a cometer o erro – veja outros casos:

O ÚLTIMO MESTRE DO AR

A versão live action do desenho animado Avatar: The Last Airbender escalou um norte-americano, Noah Ringer, como protagonista. Foi um fracasso por vários motivos – entre eles, a campanha de boicote #AangAintWhite (“Aang Não É Branco”).

 

 

(Reprodução/Divulgação/Mundo Estranho)

VIGILANTES DO AMANHÃ

A versão do mangá/anime Ghost in the Shell estreou em março com um elenco polêmico: só os papéis secundários foram mantidos com atores orientais. Os principais foram para os norte-americanos Scarlett Johansson e Michael Pitt. Johansson alegou que sua personagem, por ser uma inteligência artificial, transcendia qualquer etnia – mas fãs do anime notaram que o roteiro incluiu uma subtrama em que ela busca sua verdadeira origem. Muitos a interpretaram como uma tentativa de justificar a escalação da atriz.

 

(Reprodução/Divulgação/Mundo Estranho)

DOUTOR ESTRANHO

O Ancião, tradicionalmente retratado como tibetano nas HQs, foi vivido pela inglesa Tilda Swinton. O debate pegou fogo – e forçou a atriz a até revelar e-mails particulares que trocou com a comediante Margaret Cho, de ascendência asiática, sobre o problema.

 

 

 

(Reprodução/Divulgação/Mundo Estranho)

PETER PAN

Outra adaptação equivocada. Como cereja do bolo, a norte-americana Rooney Mara viveu Tiger Lilly, uma personagem indígena. Depois que o filme fracassou nas bilheterias, Mara pediu desculpas: “Nunca mais quero estar do lado errado desse debate novamente”.

 

(Reprodução/Divulgação/Mundo Estranho)

SOB O MESMO CÉU

Emma Stone parece filha de havaianos e chineses para você? Para o diretor e roteirista Cameron Crowe, que criou a personagem Allison Ng, sim. “Aprendi como o problema do ‘whitewashing’ é prevalescente”, desculpou-se a atriz depois.

 

Inscreva-se na newsletter da Mundo Estranho e receba, toda semana, dez notícias e reportagens que vão te surpreender!