Logo ME

5 segredos que os dentistas não contam

Sob a condição de anonimato, profissionais de várias áreas revelaram à MUNDO ESTRANHO o que não contam aos clientes. Agora é a vez dos dentistas

 

(Estevan Silveira/Mundo Estranho)

1) “Obturações não são necessárias e cáries podem ser revertidas”
Em média, uma cárie leva entre quatro e oito anos para progredir do esmalte para a dentina (camada mais interna do dente). Isso significa que há tempo de sobra para tratá-la com flúor, escovação, restrição de açúcar e monitoramento, segundo um estudo da Universidade de Sydney, na Austrália.

2) “O índice de flúor na água está errado”
Ao menos no estado de São Paulo, mais ou menos 30% das amostras contêm flúor a mais ou a menos do que o recomendado. Se o índice for abaixo do padrão, não garante o benefício anticárie. E, se for acima, pode levar à fluorose, que causa manchas, geralmente esbranquiçadas (nos casos mais graves, marrons), nos dentes.

3) “A anestesia não é tão inocente”
Você corre o risco de perrengues momentâneos, como passar um tempo sem conseguir piscar (e ficar com o olho seco) ou ganhar um belo de um hematoma se a agulha acertar algum vaso sanguíneo. Também há consequências mais sérias, porém raras, como arritmia cardíaca e problemas nos nervos.

 

4) “Nossos consultórios estão contaminados”
Aquele aparelhinho que borrifa água na sua boca pode causar infecções. Segundo um estudo da Universidade de Poitiers, na França, o instrumento costuma ter bactérias mais resistentes do que se imaginava e os desinfetantes recomendados pelos próprios fabricantes dos equipamentos não são 100% eficazes.

5) “Nem a gente concorda sobre como escovar os dentes”
Uma pesquisa da University College of London, na Inglaterra, comparou as recomendações de escovação das associações de dez países, de fabricantes de escovas e pastas de dentes e de livros. Conclusão: elas diferem muito. E não há evidência que comprovem que técnicas elaboradas sejam mais eficazes que uma escovada simples. Na dúvida, seja simples e foque nas áreas onde a placa costuma se formar, como as superfícies dos dentes e perto da gengiva.

 

FONTES Revistas Pesquisa FapespReader’s Digest e Time; sites CBS News,Daily Mail, Elsevier, EurekAlert!Folha de S.PauloHarvard UniversityiGNYMAGPacific StandardPhysician Health ProgramSurgeryUniversity of British ColumbiaUSA TodayUSP Wired

 

Newsletter Conteúdo exclusivo para você
E-mail inválido warning
doneCadastro realizado com sucesso!
Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. David Pimenta

    Quanta asneira… Pior ainda é que perdi meu tempo para ler isso.

    Curtir