Logo ME

Assassino do Torso: o serial killer que desmembrava prostitutas

"Gente normal não faz o que eu fiz", admitiu o serial killer Richard Cottingham, que desmembrava suas vítimas

(Eduardo Ferigato)

1) Nascido em 1946 no Bronx, em Nova York, Richard Cottingham sempre teve dificuldade para se enturmar – até entrou para a equipe de corridas da escola para tentar fazer amigos. Aos 20 anos, começou a trabalhar com computador, ganhou certa independência e iniciou a vida fora da lei.

2) Entre 1969 e 1973, alguns crimes leves, como dirigir embriagado, lhe renderam somente multas. Outros mais pesados, como furtos, roubos e até agressão sexual, ficaram impunes: Cottingham foi liberado por falta de provas. Em 1975, mudou-se para a cidade de Nova Jersey.

3) Sua primeira vítima fatal foi a enfermeira Nancy Vogel, de 29 anos. Ele a seduziu, transou com ela em um motel barato e a estrangulou. O corpo foi deixado no quarto, mas a polícia não concluiu a investigação por falta de evidências.

 

4) Entre 1977 e 1978, o desejo de matar foi aumentando – e os crimes ficaram mais dramáticos, com tortura, estupro e estrangulamento. Uma das vítimas, a prostituta grávida Susan Geiger, foi largada no motel. Outra, Karen Schilt, foi deixada inconsciente (mas viva) em uma rede de esgotos.

5) Em 1979, os corpos de uma prostituta desconhecida e de sua colega Deedeh Goodarzi são achados sem braços, pernas e cabeça num motel em chamas. A partir daí, a mutilação virou um hábito de Cottingham, que passa a ser apelidado pela polícia como “Assassino do Torso“.

6) Em maio de 1980, a fúria de Cottingham atingiu o auge: ele fez três vítimas num único mês. Duas foram deixadas no quarto, como sempre, e a terceira jogada em um estacionamento em Nova Jersey. Todas eram garotas de programa e foram torturadas. Uma delas tinha marcas de mordidas.

 

7) O serial killer só foi preso porque uma vítima, a prostituta Leslie O’Dell, conseguiu escapar após ser espancada e estuprada. A equipe do motel chamou a polícia. Cottingham foi julgado e condenado por seis assassinatos, mas chegou a dizer que matou mais de 100 mulheres.

 

QUE FIM LEVOU?

Após tentativas de fuga e suicídio, o Assassino do Torso continua cumprindo prisão perpétua nos EUA

 

FONTES Livros The Prostitute Murders: The People VS. Richard Cottingham, vários autores, e Torso Killer, de Rod Leith, e Departamento de Psicologia da Universidade de Radford (EUA)