Logo ME

Pedrinho Matador, o maior assassino das prisões brasileiras

Pedrinho Matador, o maior assassino da história das prisões brasileiras, tirou a vida de 48 companheiros de xadrez

retrato_pedro_rodrigues_filho

ILUSTRA Eduardo Belga

1) Pedrinho nasceu em uma fazenda de Santa Rita do Sapucaí, Minas Gerais. Agressões sofridas pelo pai desde quando estava na barriga da mãe lhe causaram traumas no crânio. A primeira vez que sentiu vontade de matar foi aos 13, brigando com um primo.

2) Até os 14, frequentou a escola municipal em que o pai era vigia e fora acusado de roubar merendas. A demissão de Pedro Rodrigues significou uma sentença de morte dupla. Pedrinho matou pela primeira vez, vingando-se do prefeito e vitimando outro vigia, que teria sido o verdadeiro ladrão.

3) Em fuga, foi parar em Mogi das Cruzes, interior de São Paulo, onde assumiu um ponto de drogas de um traficante recém-falecido – levando a viúva de lambuja. Para firmar posição, matou três traficantes ligados ao ex-gerente da boca. De quebra, ainda recrutou “soldados” para proteger o negócio.

 

+ Vídeo: confira o Programa Mundo Estranho sobre Pedrinho Matador

+ Retrato Falado: Carlos, o Chacal: o terrorista mais temido nos anos 70

+ Retrato Falado: Aileen Wournos, a serial killer retratada no filme Monster

 

4) Antes dos 18, conheceu sua grande paixão, Maria Aparecida Olímpia. Ao encontrá-la morta a tiros em casa, partiu para outra vingança. Torturou e matou várias pessoas antes de apagar o mandante do crime, um ex-rival, numa festa de casamento – na ocasião, Pedrinho matou outros 5 e feriu 16.

5) Já era um procurado famoso quando foi preso pela primeira vez, denunciado pelo pai da namorada. Sua reputação de matador já corria pela prisão, onde, finalmente, aprendeu a ler e escrever. Aos poucos, foi perdendo contato com o tráfico e com o mundo exterior.

6) Até que tentaram baixar a bola do rapaz na cadeia. Cinco caras armaram uma emboscada contra ele no pátio da prisão. Para se defender, Pedrinho improvisou uma faca e, no fim da encrenca, matou três e feriu dois, que conseguiram fugir. A fama de matador só aumentava…

 

+ Retrato Falado: Dean Arnold Corll, o assassino conhecido como “Candyman”

+ Retrato Falado: Andrei Romanovich, o serial killer no Partido Comunista da União Soviética

 

7) No julgamento, ficou decepcionado ao saber que só era acusado de 18 homicídios – o cara jura ter matado mais de cem pessoas, incluindo o próprio pai. Suas penas, somadas, dariam mais de 128 anos de cadeia, porém, suspeita-se que Pedrinho inventava vários de seus crimes.

 

QUE FIM LEVOU?

Saiu da cadeia em 2007 – o Código Penal não permite que se cumpra mais de 30 anos na prisão. Em 2011, foi preso novamente, e desta vez cumpre pena por acusações de motim e cárcere privado.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Victor Hugo Silva

    Caramba belo exemplo de vida – –

    Curtir

  2. Osman Andrade

    isso daria um filme brasileiro.

    Curtir