Logo ME

Suzane Von Richthofen: o crime que chocou o Brasil

Conheça a história da jovem que, ao lado do namorado e do cunhado, planejou o assassinato dos pais com frieza e requintes de crueldade

(Mateus Santolouco/Mundo Estranho)

1) Nascida em 1983 em uma família da classe média alta paulistana, filha de uma psicóloga (Marísia) com um engenheiro (Manfred), Suzane viveu uma infância normal e recebeu ótima educação em casa e nas escolas que frequentou. Na época do crime, cursava direito na PUC-SP.

2) Em 1999, o interesse por aeromodelismo de seu irmão, Andreas, aproximou Suzane de Daniel Cravinhos, que também tinha esse hobby. No início, Manfred e Marísia não se incomodaram, imaginando que o relacionamento seria passageiro.

3) O comportamento obsessivo de Daniel, além dos empréstimos e presentes que ele recebia de Suzane, passou a preocupar os pais da garota. A má influencia do namorado ficou evidente quando ela começou a se drogar com maconha, ecstasy, éter e cola. Manfred e Marísia proibiram o namoro em maio de 2002.

 

Veja também

4) Na madrugada de 31 de outubro, Suzane guiou Daniel e o cunhado, Cristian, ao quarto dos pais, acendeu a luz e desceu para a biblioteca. Os irmãos Cravinhos atacaram o casal com barras de ferro – Marísia resistiu e foi sufocada com uma toalha. O revólver de Manfred foi colocado ao lado de seu corpo.

5) Suzane ficou na biblioteca durante a execução. Ela ajudou a recolher as barras ensanguentadas e mostrou sangue frio ao espalhar documentos pelo quarto (para simular um assalto). Com a ajuda dos Cravinhos, arrombou uma mala do pai, para levar R$ 8 mil e US$ 5 mil que estavam nela.

6) Após deixar Cristian perto da casa dele, os namorados seguiram para um motel, na tentativa de forjar um álibi para a noite do crime. Mais tarde, com o irmão Andreas, Suzane finge surpresa ao saber do suposto assalto e telefona pedindo ajuda a Daniel.

 

7) Depois de simular sofrimento no enterro dos pais, Suzane confessou o crime e foi presa com os Cravinhos. O vaivém na prisão começou em junho de 2005, quando foi libertada pelo Superior Tribunal de Justiça. A garota deu entrevista à TV, passou férias no litoral paulista e voltou ser presa em abril de 2006.

QUE FIM LEVOU? Suzane e os Cravinhos foram condenados, em julho de 2006, a cerca de 39 anos de prisão, cada um. Por se tratar de um crime hediondo, as apelações após a condenação foram negadas.

FONTES Livro O Quinto Mandamento, de Ilana Casoy, e sites Folha de S.Paulo, Estadão, Fantástico e VEJA