Logo ME

6 games que cometeram erros vergonhosos de História

A gente sabe que todo game com fundo histórico toma algumas liberdades. Mas estes aqui chegam a errar o ano em que os eventos da trama aconteceram!

The Saboteur

Este jogo de 2009, para PS3, Xbox360 e PC,  certamente toma liberdades próprias ao abordar a 2ª Guerra Mundial. Afinal, Paris não foi liberada da presença nazista graças aos esforços de um único irlandes. The Saboteur, entretanto, força a amizade quando erra o ano do início da guerra, colocando-a em 1940. Além disso, o título retrata a França como se ela não estivessenada preparada para a empreitada alemã, sem ter nenhuma defesa em suas fronteiras.

 

Shadow of Rome

Shadow of Rome

Lançado para PS2 em 2005, este game não se leva a sério, mas exagera quando distorce fortemente um fato sabido por todos. Os conspiradores do Senado Romano mataram o líder militar Júlio César na frente de várias testemunhas e, depois, marcharam no meio da cidade bradando o que tinha sido feito. Já no jogo da Capcom, por algum motivo, a morte do imperador foi transformada em um mistério de detetive, que deve ser resolvido pelo personagem controlado pelo jogador.

 

Rome: Total War

Rome: Total War

O game de 2004, para PC, é tão historicamente preciso que já foi usado em programas de TV para simular guerras. Mas além de retratar o exército egípcio com cerca de mil anos de atraso, ele também tem erros geográficos e anacronismos, como certas armas que, na época da trama, ainda não haviam sido inventadas. Amantes de história criaram até um mod que corrige todas as imprecisões.

 

Medal of Honor Underground

Medal of Honor: Underground

Na quarta missão deste título para PlayStation, lançado em 2000, infiltramos o Castelo Wewelsburg. Uma vez lá, em vez de os soldados do exército nazista, encontramos cavaleiros da organização militar SS, não só portando armaduras medievais à prova de balas, como também decididos a nos atacar com espadas. (Hein?)

 

+ Os 7 erros que os seriados de ficção científica mais cometem

+ Os 7 erros que os seriados médicos mais cometem

 

Prey

Prey

Nosso herói é um jovem cherokee. Em certos trechos da aventura, viajamos para uma “realidade espiritual” dessa tribo norte-americana, repleta de cânions. Essas partes são ambientadas no estado de Oklahoma, que de fato é marcado por esse tipo de ambiente. No entanto, os cherokees não são nativos dessa região e foram forçadamente levados para ela no século 19. A tribo vem do sudeste dos EUA, uma área com rios e florestas, o que deveria fazer com que a terra espiritual fosse representada por essa flora. Foi lançado para PC e Xbox360 em 2006.

 

1943: The Battle of Midway

1943: The Battle of Midway

Neste jogo de 1987 para NES, controlamos um aviãozinho, atirando em inimigos que aparecem por toda parte. Até aí, tudo certo. O problema está no título: a batalha a que ele se refere aconteceu um ano antes, em 1942, entre as forças dos EUA e do Japão, seis meses após o ataque japonês a Pearl Harbor.

 

+ Quais foram os piores erros já publicados na MUNDO ESTRANHO?

+ Quais foram os maiores erros cometidos por Einstein?

 

Command&Conquer: Red Alert

Salada temporal

Em alguns casos, a imprecisão histórica é uma decisão autoral do roteiro

Uma liberdade muito legal que jogos têm é de alterar propositadamente fatos históricos para, assim, criarem realidades paralelas a nossa, mas com seus próprios eventos. Um exemplo disso é Command & Conquer: Red Alert, de 1996, para PC e PlayStation. Olha que trama maluca: Albert Einstein cria uma máquina de viagem no tempo, retornando para 20 de dezembro de 1924, data em que um jovem Adolf Hitler tinha acabado de sair da prisão de Landsberg. Einstein então usa seu aparelho para matar Hitler, porém acidentalmente cria uma 2ª Guerra Mundial ainda pior, na qual a União Soviética ganha muito poder, domina a China e se prepara para invadir toda a Europa.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Andrey Aires

    Nossa que matéria tosca. De Paola, deveria ser menos sensacionalista no título e dar mais atenção ao texto e à pesquisa.

    Curtir