Logo ME

Como celebrar o Réveillon duas vezes no mesmo ano

Dá para viajar no tempo sem precisar de máquina. Quer dizer, você precisa, mas não é uma "do tempo"

Já é Ano-Novo na Austrália! Não, ainda não é, mas como viajar até para a praia mais próxima é um parto no fim do ano, a gente está se preparando para quem quiser ter um Réveillon bem diferente: dá para viajar no tempo e comemorar a chegada do novo ano duas vezes, em dois países diferentes. Tudo graças à Linha Internacional da Data e às maluquices políticas em torno dela.

Voos que saem da Oceania ou do Extremo Oriente em direção às Américas “duram pouco” no relógio porque eles cruzam a Linha da Data, que passa pelo Pacífico. De repente, o hoje vira ontem. Assim, um avião que decola de Auckland, Nova Zelândia, às 18h20, pousa em Santiago, Chile, às 13h25. Ele “volta no tempo” cinco horas, apesar de a viagem durar 11.

Mesmo assim, isso é insuficiente para você pular sete ondinhas, pegar o avião e chegar a tempo da nova festança de Ano-Novo. Não tem avião rápido o suficiente. Então é preciso fazer viagens bem mais curtas.

Bora pro Pacífico.

(Reprodução/Divulgação)

A Linha Internacional da Data (preta, acima) passa perto de alguns arquipélagos no Pacífico. Os números marrons acima representam o fuso horário em relação a Londres, onde fica o marco zero da hora mundial, conhecido pela sigla UTC (Brasília é UTC -3, o que significa que quando for meio-dia na Inglaterra, são 9h na capital brasileira – isso sem contar horário de verão).

A Linha da Data tem esse nome porque delimita o começo e o fim de um dia. Como a Terra é redonda, precisamos de um marco do tipo, para que a maior parte do mundo siga o mesmo calendário, senão os fusos horários dariam a volta no globo sem saber se o dia começou ou terminou. Pela convenção, a marcação UTC começa em Londres. Doze horas à frente ou doze horas atrás, no meio do Pacífico, fica a Linha da Data. Assim, o que estiver a oeste dela é o fim do dia. O que estiver a leste, o começo.

Por exemplo, meio-dia em Londres significa 9h em Brasília (UTC -3), 2h no Havaí (UTC -10) e meia-noite do dia seguinte em Fiji (UTC +12). Doze horas para trás mais 12 horas para frente é igual a 24 horas, ou seja, um dia inteiro. Mas, por questões políticas e econômicas, muitos lugares deturpam a hora que a longitude determinaria (o Brasil segue basicamente o contorno dos estados, por exemplo).

Na região mostrada acima, como se vê, há casos de UTC +13 e até +14, quando o normal seria ir até +12. Mas isso facilita nossa missão, já que nos joga até duas horas no futuro.

O site Jakub Marian levantou algumas hipóteses para o Réveillon duplo, que aprofundamos aqui. Você pode passar a virada em Kiritimati, um atol que pertence a Kiribati e é o primeiro lugar do mundo a ver o novo dia (no mapa, é uma das Line Islands). Depois, ir para a ilha Jarvis (cerca de 380 km) ou a alguma das chamadas Ilhas Menores Distantes dos Estados Unidos (UTC -11, quer dizer, quando for meia-noite da virada em Kiritimati, ainda serão 23h do dia 30 em Jarvis). O problema é que Jarvis é uma área de proteção ambiental, com acesso restrito (e a população de todas essas Ilhas Menores somadas mal chega a 300 seres humanos, então não é lá um lugar muito acessível).

Veja também

O jeito é pegar um avião em Kiritimati (do aeroporto local saem voos para Fiji e Havaí). Dá para ir direto para Honolulu: em 3h10, você chega ao Havaí. Como o arquipélago americano é UTC -10, se você sair ao meio-dia de 1º de janeiro, chegaria às 15h10 em Honolulu – do dia 31! O porém é que só tem um voo semanal para cobrir o trecho, então, boa sorte. (detalhe bizarro: Kiritimati e o Havaí ficam a 24 horas de distância no fuso, mas estão na mesma longitude!).

Outra opção, bem mais em conta, é partir de Samoa (UTC +13), país que antigamente era conhecido como Samoa Ocidental, e ir para Samoa Americana (UTC -11), outro arquipélago do Pacífico que pertence aos EUA. A capital, Pago Pago, tem aeroporto e porto com viagens internacionais, então dá para pegar um barco em Ápia, a capital samoana, e chegar a Pago Pago, que fica a menos de 100 km de distância. O melhor é que essa viagem é diária (aqui, as tabela de preços e horários)

Agora é abrir o bolso e partir para o abraço – duas vezes!

Obs.: cheque se funciona em 1º de janeiro. Se você fizer a viagem, avise a gente que atualizaremos as informações 🙂

 

Pago Pago, Samoa Americana: seu próximo destino no Réveillon, Doc! (Reprodução/Reprodução)