Mundo Estranho

Como é feito um implante de silicone? Dá para identificar um seio turbinado?

O implante de silicone é feito por meio de uma cirurgia simples, que dura cerca de uma hora e tem apenas anestesia local. O médico faz uma pequena incisão e usa essa abertura nos tecidos para colocar na paciente uma prótese de silicone, um derivado de petróleo em forma de gel e que fica embalado por uma membrana resistente e maleável. A prótese é posicionada entre as glândulas mamárias e o músculo peitoral. Algumas horas depois da cirurgia, a paciente já pode receber alta. O tamanho das próteses pode variar entre 95 e 600 mililitros, embora na maioria dos casos a quantidade fique entre 200 e 300 mililitros de silicone. A definição quanto a isso não depende só do desejo da paciente, mas também do bom senso. "Para ser natural é preciso considerar o tipo físico da mulher", diz o cirurgião plástico Marcus Vinícius do Santos.

Na hora de discutir com as pacientes o tamanho da prótese, os médicos alertam que é necessário levar em conta a dimensão do tórax de cada pessoa e também a harmonia entre os novos seios e os quadris. Pouca gente presta atenção nesse detalhe, mas é importante lembrar que a colocação de silicone não é um procedimento definitivo, pois a prótese precisa ser trocada após um período entre 15 e 20 anos. Na hora de decidir por um implante também devem ser pesados outros fatores. Para quem tem maior propensão ao câncer de mama, a cirurgia pode não ser muito recomendável. "O implante não atrapalha o auto-exame de mama, mas ao fazer um ultra-som é mais difícil detectar um tumor" diz Marcus Vinícius. Hoje em dia o preço de uma plástica desse tipo pode variar entre 5 mil e 9 mil reais, dependendo do profissional que fizer o trabalho.

Diferenças palpáveis Desconfie dos seios muito grandes que vencem facilmente a lei da gravidade

Com as novas tecnologias, os seios turbinados estão cada vez mais idênticos aos normais. As próteses de hoje possuem, por exemplo, membranas texturizadas, que as deixam mais naturais ao toque. Mas ainda assim há várias diferenças perceptíveis:

• Seios muito grandes e ainda assim bastante firmes? Desconfie. Em geral, os seios maiores sempre tendem a cair um pouco

• Se a intimidade permitir, o teste também pode ser feito na base do toque: se os seios estiverem muito durinhos, provavelmente a mulher tem uma prótese, especialmente se for alguém acima dos 40 anos

• Quando a mulher deita, os seios naturais tendem a cair um pouco para os lados. Já os siliconados não saem do lugar

• Algumas turbinadas confessam um detalhe estranho: os seios novos às vezes fazem um som próprio, como se a prótese estivesse se posicionando e houvesse ar dentro dos seios

Caminhos alternativos Na cirurgia podem ser usados três tipos de corte por onde a prótese será colocada

SEM VESTÍGIOS

A incisão no meio da axila tem a vantagem de ocultar bem a cicatriz. O problema é a grande distância entre a posição desse corte e o local onde ficará a prótese, o que provoca um trauma maior na hora da sua colocação, exigindo um pós-operatório mais cuidadoso

RAPIDINHA

O pequeno corte na parte inferior do seio é um procedimento bastante utilizado. Tecnicamente é a opção que permite a cirurgia mais rápida. O problema é que a qualidade da cicatriz pode variar muito, tornando a técnica inadequada para quem tem dificuldades de cicatrização

OPÇÃO POPULAR

A maioria das cirurgias é feita com um corte no limite entre a pele e a aréola do seio, o que ajuda a camuflar a cicatriz. Essa técnica garante o pós-operatório mais tranqüilo. O inconveniente é que há casos em que ocorre uma diminuição da sensibilidade areolar

Você também pode gostar de:

Fechar