Mundo Estranho

Como fazer um jogo de tabuleiro?

por Fabiano Onça | Edição 34

Se você já varreu o território de Dudinka com um exército de 30 pecinhas, já acusou o Coronel Mostarda de assassinato usando um candelabro ou já controlou hotéis na avenida Atlântica, então já teve um jogo de tabuleiro na vida. Agora, você alguma vez imaginou como é que se cria um War, um Detetive ou um Banco Imobiliário?

Dá trabalho, mas não é tão difícil assim. "O segredo principal é ser maluco por jogos, é gostar de tudo que é lúdico", afirma Mario Seabra, o pioneiro do segmento no Brasil e autor de ao menos 700 jogos publicados, entre eles o War II. Quanto mais cedo essa paixão começar, mais experiência você ganha para desenvolver uma boa idéia. "Eu me lembro de que desde os 10 anos eu criava meus jogos em cartolina e ficava tentando convencer meus parentes a jogar", diz Mauricio Gibrin, que, junto com dois sócios, recentemente venceu um dos mais importantes torneios mundiais de criação de jogos, o concurso da ludoteca de Paris, na França.

Para conseguir colocar suas peças em ação e emplacar um jogo nas prateleiras, é bom entender primeiro todas as regras que estão no tabuleiro ao lado. Depois, é só começar a partida. Boa sorte!

Mergulhe nessa

Na Livraria:

The Game Inventor’s Guidebook - Brian Tinsman, Krause Publications, 2003

Na Internet:

www.festadopeao.tk/

www.ludomania.com.br/

www.origem.com.br

A sorte está lançada Para ganhar seu jogo, você precisa ter uma idéia original, aceitar críticas e ser paciente

Início

Partida

Ter uma boa idéia é o começo de tudo. Boas sacadas podem vir de qualquer lugar: inspiradas em filmes, livros, viagens, coisas do cotidiano e, obviamente, de outros jogos. O importante é observar o tempo todo o que pode virar uma boa criação

Avance

No começo, você pode levar alguns meses para encaixar as idéias que formam um jogo. Mas com o tempo a criação flui melhor. Se você já anda treinando desenvolver projetos assim, tem mais chance de chegar ao final dessa partida

Fique sem jogar

Pensou num jogo em que é preciso posicionar exércitos nos continentes para conquistar o mundo? Então, perdeu esta rodada. Temas batidos com o do exemplo acima, já usado no War, são difíceis de emplacar. O mesmo vale para modificações de jogos existentes

Aliado

Duas cabeças pensam melhor que uma. Por isso, é melhor tocar o projeto com alguém que também goste de jogos. Ter idéias, todo mundo tem sozinho, mas é duro fazer o projeto andar sem um amigo que ajude a superar as dificuldades que vão aparecer

Avance

Se você tem um braço direito com quem se entende bem, fica mais fácil imaginar quantas peças o jogo terá, o número de cartas, que tipo de tabuleiro será necessário... E tudo isso é essencial para pular para o próximo passo: montar um protótipo

Fique sem jogar

Você não aceita receber críticas? Mais uma vez vai ficar marcando passo. Nem sempre sua idéia "genial" parece tão bacana assim para seu parceiro de criação. Sem paciência e espírito aberto para aceitar novas sugestões, você vai ficar parado algumas rodadas no tabuleiro

Testes

Quando o jogo já está claro na sua cabeça, é hora de montar um protótipo, com peças e tabuleiro. Assim dará para ver a reação das pessoas que o utilizam. Nesses testes você vê o que agrada, as falhas e as regras confusas

Avance

Imagine um jogo de xadrez com fichinhas de papelão no lugar das peças moldadas. Não teria a mesma emoção, certo? Por isso, se na hora de montar seu protótipo você caprichou no acabamento das peças e do tabuleiro, pode seguir em frente

Fique sem jogar

Com o protótipo na mão, você chamou três pessoas, jogou uma ou duas partidas e ficou satisfeito. Grande erro! Você se deu mal de novo! O ideal é fazer dezenas de sessões de testes e com públicos diferentes — dos jogadores ocasionais aos inveterados

Contato

Com o protótipo aprovado nos seus testes, você já pode vender a idéia para algum fabricante de jogos. Não adianta mandar logo de cara o protótipo. Envie primeiro um e-mail curto, perguntando se a empresa tem interesse naquele tipo de jogo

Avance

Antes de contatar o fabricante, você pesquisou bem para ver se não havia um produto igual ao seu? Se sim, parabéns! Avance para a próxima casa. As empresas recebem dezenas de projetos por mês e não gostam de perder tempo com idéias repetidas

Fique sem jogar

Você mal enviou sua idéia para o fabricante e já mandou vários e-mails atrás de uma resposta? Bola fora! É importante entender que a decisão de publicar um jogo é uma questão comercial que nem sempre depende só da qualidade do projeto. Insistir e cobrar só queima seu filme

Reuniões

Caso sua sugestão tenha sido bem recebida, você já tirou a sorte grande: as empresas recebem centenas de idéias por ano. Além de comemorar, prepare-se para explicar os detalhes do protótipo nas reuniões que serão convocadas pelo fabricante

Avance

As reuniões servem para ajustar o produto. Pode haver uma regra de que a empresa não tenha gostado ou a necessidade de destacar um aspecto do jogo. Entendendo isso como uma adequação às necessidades da companhia, você está perto da vitória

Fique sem jogar

Você foi inflexível e não aceitou nenhuma sugestão do fabricante? Então, volte para a primeira casa, pois vai começar tudo de novo. Quem encara as mudanças pedidas como o "assassinato de uma idéia genial" dificilmente chega ao final do tabuleiro

Dinheiro

O passo final das negociações é o pagamento. O fabricante irá oferecer 5% do lucro líquido obtido com a venda do jogo para os lojistas. Quando são usados personagens licenciados (Disney, Super-heróis), o valor é de 3%

Avance

Na hora da negociação, é preciso manter os pés no chão. Esse percentual de 5% costuma ser padrão. Tire da cabeça o sonho de que vai enriquecer com uma única boa idéia para um jogo. Lembre-se: o ponto de chegada está próximo!

Fique sem jogar

O quê? Você não abre mão de uma patente para sua criação? Que azar! Derrapou na casa final! Cada um deve agir como achar melhor, mas essa exigência é arriscada. Patente custa caro, demora e sua criação pode ser facilmente alterada — o que elimina um possível plágio

Fim

Fim de jogo

Parabéns, você conseguiu! Só é preciso paciência para ver seu jogo nas prateleiras — o que demora cerca de um ano. Agora, se você ficou preso em alguma casa pelo caminho, não desanime. Criar um jogo, independentemente de ele ser publicado, é uma recompensa pessoal, um grande exercício para a imaginação

Cartadas numéricas

• Empresas como a Grow recebem até 500 projetos de jogos por ano, sendo que muitas vezes lançam apenas um deles

• Nos Estados Unidos, esse setor movimenta 2,4 bilhões de dólares por ano. No Brasil, o número é bem menor: em 2003, foram 98 milhões de reais

• O jogo mais popular de todos os tempos é Monopoly, lançado no Brasil com o nome de Banco Imobiliário. Estima-se que 500 milhões de pessoas no mundo já o jogaram

Você também pode gostar de:

Fechar