Mundo Estranho

Como Napoleão perdeu a guerra?

por Roberto Navarro | Edição 62

A derrota que sepultou sua carreira de conquistador de territórios ocorreu na Batalha de Waterloo, travada em 18 de junho de 1815 nas imediações da cidade de Waterloo, na Bélgica. O episódio, que você confere em detalhes no infográfico que ilustra estas páginas, foi o ponto final em mais de dez anos de conflitos constantes de Napoleão com as principais potências do Ocidente na época, como Grã-Bretanha e Prússia (parte da atual Alemanha). As intenções expansionistas do general proclamado imperador da França já haviam sofrido um forte revés em 1812, quando o Exército francês foi obrigado a retirar-se da Rússia depois de perder mais de 500 mil homens. O desastre deu ânimo para que os povos europeus dominados por Napoleão atacassem a França e forçassem a abdicação do imperador, que em 1814 foi preso e enviado para o exílio na ilha de Elba, na costa da Itália. Em março de 1815, porém, Napoleão fugiu de Elba e retornou à França, onde foi aclamado pela população e recuperou o poder, conseguindo reunir cerca de 124 mil homens para formar um novo exército. Alarmadas, as potências que o haviam derrotado uniram-se novamente e começaram a concentrar tropas perto das fronteiras francesas. Decidido a enfrentar seus inimigos, Napoleão marchou para a Bélgica, onde chegou a vencer tropas prussianas dois dias antes de sofrer a derrota final em Waterloo, que encerrou seu novo reinado, conhecido como "Os 100 Dias". Ele não foi capturado ao final da batalha, mas em Paris o Parlamento forçou sua abdicação, ocorrida em 22 de junho de 1815. Enviaram-no para a distante ilha de Santa Helena, a quase 2 mil quilômetros do litoral sudoeste da África. Ali, Napoleão morreu em 5 de maio de 1821, aos 51 anos de idade, de causas controversas - há quem diga que o motivo da morte foi um câncer no estômago, mas existem suspeitas de que o mais famoso general francês tenha sido envenenado

A batalha de Waterloo

DATA - 18 de junho de 1815

LOCAL - Waterloo (Bélgica)

OS LADOS DA BATALHA

113 MIL ALIADOS (PRUSSIANOS, AUSTRÍACOS, BRITÂNICOS E HOLANDESES)

72 MIL FRANCESES

TOTAL DE MORTOS

23 MIL ALIADOS

25 MIL FRANCESES

Posição incômoda Por duas vezes, general francês hesitou em atacar e acabou derrotado em confronto decisivo

1. 6 h

Desde o amanhecer, as tropas francesas estavam prontas para atacar. Mas Napoleão decidiu esperar que o terreno úmido pela chuva secasse, facilitando os movimentos de sua cavalaria. A demora deu tempo para que mais soldados aliados chegassem ao local

2. 10 h

A batalha começa com um ataque francês em pequena escala para desviar a atenção dos aliados. Mas o duque de Wellington, comandante das forças aliadas, não cai na armadilha e envia apenas um pequeno destacamento, que consegue enfrentar os franceses

3. 11 h

Com 80 canhões puxados por cavalos, a artilharia de Napoleão abre fogo e provoca o combate. Mas a maioria dos canhões franceses eram mais pesados que os dos aliados. Para piorar, o terreno encharcado complica o posicionamento das armas francesas para o tiro

4. 15 h

Novo ataque de canhões franceses causa pesadas baixas entre as tropas aliadas. Para poupar as tropas, o duque de Wellington ordena o recuo temporário de seus soldados, que se protegem atrás de elevações do terreno onde não podiam ser atingidos pelo fogo francês

5. 16 h

Os aliados iniciam o contra-ataque com sua infantaria (tropa a pé) em quadrados com três fileiras de soldados que abriram fogo contra o inimigo. Os soldados disparavam em rajadas intercaladas - enquanto um atirava, outro recarregava

6. 16h30

Para deter o contra-ataque, 5 mil cavaleiros franceses avançam contra os aliados. Mas, sem o apoio da infantaria, os cavalos de Napoleão recusam-se a investir contra os quadrados da tropa aliada. O ataque fracassa e os franceses recuam

7. 18 h

Aproveitando a recuada francesa, Wellington posiciona os canhões aliados cerca de 90 metros à frente dos quadrados da infantaria. Os canhões e artilheiros abrem fogo, disparando granadas que, ao explodir, provocam baixas espalhando estilhaços de aço entre os franceses

8. 18h30

Os franceses têm a chance de virar o jogo ao capturar uma casa de fazenda no meio da linha aliada, causando estragos pesados. Mas, temendo um ataque inimigo contra a linha francesa, Napoleão não envia tropas para reforçar a investida, e a casa é recuperada pelos aliados

9. 20 h

Com a defesa reorganizada e reforçada por novas tropas prussianas vindas de outra batalha, os aliados repelem dois ataques franceses: primeiro, um avanço diagonal ao setor direito com seis canhões; depois o avanço frontal de 2 mil soldados de Napoleão

10. 21 h

Aproveitando a desarticulação francesa, as forças de Wellington iniciam um amplo avanço frontal e intensificam ataques no setor direito das tropas napoleônicas, o que leva os franceses à debandada. Fim da batalha: em pânico, os franceses fogem em retirada desorganizada

Você também pode gostar de:

Fechar