Mundo Estranho

Como ocorre a incompatibilidade entre o sangue da mãe e o do feto?

O risco desse problema grave - chamado pelos médicos de eritroblastose fetal ou doença hemolítica perinatal - surge quando a mãe possui o fator sanguíneo Rh negativo e o feto, positivo. Nesse caso, se o sangue do bebê, por algum motivo, sair da placenta e entrar em contato com o organismo da mãe, ela passa a produzir anticorpos que destroem os glóbulos vermelhos do filho, podendo até provocar sua morte. Isso ocorre porque o fator Rh positivo do feto atua como antígeno (corpo estranho que estimula a produção de anticorpos), quando entra em contato com sangue de Rh negativo. "O corpo materno interpreta a presença do sangue do filho como um invasor, um mal a ser eliminado", afirma o ginecologista e obstetra Renato Chaim, de São Paulo. Enquanto o bebê está na barriga, não é possível saber seu tipo de sangue. Por isso, é necessário um exame pré-natal para checar, de tempos em tempos, se a mãe ficou sensibilizada com o sangue incompatível do feto.

Nesse caso, existe uma vacina contra a doença - mas ela só pode ser aplicada no máximo 72 horas após o organismo da mãe ter detectado a invasão de sangue do filho. Durante a gravidez, tudo que vai para o feto - como nutrientes e oxigênio - passa pela placenta, mas os sangues nunca se misturam. Há situações, porém, que podem provocar sangramentos internos (veja o quadro ao lado). O maior risco está justamente no parto. "Caso haja a sensibilização e nenhum exame seja feito, a mãe desenvolverá os anticorpos, que ficarão guardados na memória de seu sistema imunológico. Para o bebê que acabou de nascer, não há nenhum problema. Mas, se a mesma mulher tiver um segundo bebê de Rh positivo, as chances de ele morrer dentro do útero são altíssimas", diz Renato. Os anticorpos atacarão seus glóbulos vermelhos, liberando hemoglobinas que, depositadas nos órgãos do feto, causam sua destruição.

Fator decisivo Tipo sanguíneo dos pais define se os filhos correm perigo

Se ambos os pais possuem o fator Rh negativo, não há perigo. O bebê terá também o fator negativo, o mesmo da mãe, e não haverá nenhum problema de incompatibilidade sanguínea

Se o sangue do pai é positivo, a chance de o bebê ter o mesmo tipo de sangue é de 50%. Portanto, é preciso estar atento. O exame pré-natal é essencial para evitar o perigo da incompatibilidade

Situações de risco Esses são os principais casos em que o sangue do bebê pode entrar em contato com o organismo materno

Ameaça de aborto

Trabalho de parto prematuro

Amniocentese (exame que coleta, com uma agulha, uma amostra do líquido que envolve o bebê)

Descolamento parcial da placenta

No parto, a placenta deve ser expelida naturalmente. Se o médico forçar sua saída, pode fazer com que o sangue do bebê, que está na placenta, entre no corpo da mãe

Você também pode gostar de:

Fechar