Mundo Estranho

Como um satélite fica em órbita?

por Tarso Araújo | Edição 61

O segredo para que esses objetos permaneçam no espaço, girando ao redor da Terra, é o "empurrão" dado pelos foguetes que colocam os satélites em órbita. Depois de subir ao espaço, um estágio propulsor acelera o satélite a uma velocidade que não seja tão pequena para que ele caia na Terra nem tão grande para que ele escape da gravidade do planeta. "Se a velocidade for aplicada corretamente, o satélite tenta se afastar continuamente da Terra em direção ao espaço, mas ao mesmo tempo é puxado de volta pela gravidade. O resultado é como se ele estivesse sempre caindo, mas sem tocar a superfície do planeta, descrevendo uma trajetória circular ao redor do globo", afirma o engenheiro Petrônio Noronha de Souza, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). No quadro abaixo, mostramos o princípio que mantém os satélites no ar, elucidado ainda no século 17 pelo físico e matemático inglês Isaac Newton.

Roda e avisa Objetos só giram a partir de uma altitude de cerca de 300 km

1. A velocidade é o elemento-chave para pôr um satélite em órbita. Se for impulsionado a uma velocidade muito baixa, ele cai logo, "puxado" pela gravidade da Terra

EXEMPLO - Se a velocidade de impulso for de, digamos, 10 km/h, ele cai depois de percorrer apenas 687 metros no espaço

2. Se a velocidade com que se atira o objeto for maior, ele irá cair cada vez mais longe. Mas, se o impulso não for suficiente para o satélite dar uma volta na Terra, ele não estará em órbita

EXEMPLO - Se a velocidade de impulso for de 10 000 km/h, ele se choca com a superfície depois de percorrer 754 quilômetros no espaço

3. Agora, sim, nosso satélite entrou em órbita. No nosso exemplo, ele está a 300 km da superfície. Se for menos do que isso, a atmosfera é mais densa e a resistência do ar "breca" o movimento do satélite

EXEMPLO - O impulso ideal para o satélite entrar em órbita a 300 km de altitude é de 27 800 km/h

Tipos de órbita Três maneiras de vigiar o planeta

1- CIRCULAR EQUATORIAL OU INCLINADA

ALTITUDE - de 300 a 1 000 km

APLICAÇÃO - Meteorologia e experimentos científicos

VELOCIDADE - 27 800 km/h

2- POLAR

ALTITUDE - 800 km

APLICAÇÃO - Mapeamento

VELOCIDADE - 26 800 km/h

3- GEOESTACIONÁRIA (SEMPRE SOBRE O MESMO PONTO)

ALTITUDE - 35 786 km

APLICAÇÃO - Telecomunicações (TV)

VELOCIDADE - 11 070 km/h (a mesma da Terra)

Você também pode gostar de:

Fechar