Mundo Estranho

De onde vêm os nutrientes extras colocados nos alimentos?

por Victor Bianchin | Edição 96

Eles são produzidos industrialmente com base em matérias-primas da natureza e transformados em pós ou líquidos, que são adicionados às receitas dos alimentos. Os processos de fabricação são confidenciais e a origem dos nutrientes varia muito. Minerais como o ferro, por exemplo, são extraídos por meio de mineração e manipulados até virarem compostos como o sulfato de ferro. Já as vitaminas são processadas, em geral, a partir de óleos vegetais. As diferentes composições são escolhidas dependendo da utilidade: algumas substâncias são nutritivas, enquanto outras podem servir para dar liga à mistura ou dar uma cor ao alimento.

Pra ficar fortinho

O passado negro de vitaminas e nutrientes que você come

VITAMINA C

Presente como Ácido ascórbico (C6H8O6)

É processada a partir da glicose, retirada do amido, que vem de alimentos como arroz, milho e trigo - não vem da laranja, como muita gente pensa. O processo industrial para fazer a "metamorfose" inclui hidrólise, oxidação e fermentação do amido

VITAMINA B2

Presente como Riboflavina (C17H20N4O6)

É secretada de forma natural por fungos e bactérias encontrados em óleos vegetais, como o da soja. Cultivados em laboratório em grandes quantidades, os micro-organismos produzem milhares de toneladas da substância por ano

CÁLCIO

Presente como Carbonato de cálcio (CaCO3)

Muitos alimentos utilizam leite como ingrediente, aproveitando-se do cálcio de sua composição. Mas o nutriente também pode ser sintetizado industrialmente a partir de minérios, já que também é um metal. O carbonato de cálcio é a forma mais comum

VITAMINA B1

Presente como Mononitrato de tiamina (C12H17N4OS)

Acredite se quiser: a vitamina é sintetizada principalmente com base no petróleo, em fábricas chinesas que revendem o produto para o mundo. E não serve apenas como nutriente mas também como conservante

FERRO

Presente como Ferro reduzido (Fe)

É extraído na forma de minério e passa por reações químicas extensas que o transformam em derivados diversos, como o ferro reduzido, que é um tipo de óxido de ferro. Mas os derivados mais comuns são os sais, como o sulfato e o fosfato de ferro

CONSULTORIA - PAULO NOGUEIRA CARVALHO, PESQUISADOR CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS (ITAL)

Você também pode gostar de:

Fechar