Mundo Estranho

É possível viver sem estômago?

por Diogo F. Gomes | Edição 97

É sim! Que o digam as irmãs Ravindra e Meeta Singh. A família dessas inglesas é uma das cem, no mundo todo, que carregam o gene E-cadherin - o que significa 80% de risco de desenvolver câncer de estômago. Em 2009, após perder vários parentes para a doença, elas fizeram uma gastrectomia (retirada total do estômago). Sem o órgão, o esôfago é ligado ao intestino e a comida segue direto. A ausência de suco gástrico na digestão é suprida pela bile e pelo suco pancreático. "A remoção traz consequências para o paciente, mas a qualidade de vida é satisfatória", conta à ME o médico Simon Drexter, que operou as irmãs. As consequências que Drexter menciona são a perda de peso e a necessidade de tomar vitamina B12 para o resto da vida, além de só poder comer em pequenas porções.

Tem que ter estômago?

É possível sobreviver, com limitações e restrições, sem boa parte de alguns órgãos

Glândulas suprarrenais

Cirurgia de extração - Adrenalectomia

As glândulas que cobrem os rins também podem ser removidas em caso de tumor. O paciente precisa tomar remédios para reposição hormonal

Estômago

Cirurgia de extração - Gastrectomia

O mais comum é remover parte do órgão - quase sempre por causa de câncer. Na ausência total do estômago, a digestão acontece no intestino delgado

Rins

Cirurgia de extração - Nefrectomia

A retirada de um dos rins pode se dar por doença ou em casos de doação. A vida de quem só tem um rim segue normal, mas com menos sal na dieta e fazendo exames de rotina

Intestino

Cirurgia de extração - Enterectomia

Dá para tirar até 5 m de intestino delgado. Com apenas 1 m sobrando, há menos superfície para absorver água e nutrientes, ocasionando diarreia e desnutrição

Pulmões

Cirurgia de extração - Pneumonectomia

Sem um dos pulmões, vive-se com restrições respiratórias. Também dá para retirar alguns lobos que formam os pulmões - ao todo são três no lado direito e dois no esquerdo

Fígado

Cirurgia de extração - Hepatectomia

Se o paciente tiver 1/3 do fígado retirado, o órgão é capaz de se regenerar em até oito anos. A retirada geralmente é motivada pela presença de tumores

Ovários

Cirurgia de extração - Ooforectomia

Dependendo do tumor ou da infecção, retira-se um ou dois ovários. Requer reposição hormonal, mas dá para engravidar só com um deles - sem os dois, só via inseminação artificial

Pâncreas

Cirurgia de extração - Pancreatectomia

Em casos de câncer ou de pancreatite, remove-se parte do órgão. A retirada total requer reposição de insulina e remédios para suprir a falta de enzimas digestivas

• O cólon, parte final do intestino grosso, também pode ser retirado, na chamada colectomia. Desidratação e queimação são comuns nesse caso

CONSULTORIA - Edison Régio de Moraes Souza, professor de medicina da Uerj, e Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO)

 

Você também pode gostar de:

Fechar