Mundo Estranho

É verdade que comer maçã ajuda a melhorar a voz?

por Rodrigo Ratier | Edição 19

Pergunta feita pela saudosa Kelly Key!

É sim, Kelly. Pode usar sem medo essa receita popular para se aquecer antes dos seus shows. A maçã ajuda na hora de soltar a voz porque ela funciona como uma "limpadora natural" da boca e da faringe. Ao ser engolida, ela raspa a superfície desses dois órgãos, evitando que a saliva grossa chegue à laringe, o tubo no início do pescoço onde a voz é produzida. "A maçã retira as secreções que dificultam a vibração das pregas vocais, deixando a saliva mais rala e favorecendo a articulação das palavras", afirma a fonoaudióloga Gisele Gasparini, do Centro de Estudos da Voz, em São Paulo. Outra vantagem é que a maçã é uma fruta bem consistente.

Por causa disso, quem vai degustá-la acaba exercitando todos os músculos responsáveis pela articulação da fala - os lábios, as bochechas, a língua e os músculos interiores da boca. "Ou seja, a mastigação funciona como um aquecimento, que elimina a tensão na região do aparelho fonador, preparando o caminho para uma boa cantoria", diz Gisele. Entretanto, Kelly, a grande dica para não correr o risco de a voz sumir bem na hora do refrão de "Baba, baby" ou "Adoleta" é não abusar. O ideal é evitar conversas em ambientes barulhentos e não gritar ou falar alto por muito tempo. Se isso for impossível e a voz pedir socorro, o melhor remédio é o repouso: em geral, uma boa noite de sono costuma ser suficiente para recuperar a potência normal. Se o problema continuar, o jeito é procurar um otorrino ou um fonoaudiólogo, profissionais que ensinam atividades de reeducação para usar a voz de maneira saudável. Muita gente, porém, apela para métodos caseiros.

O velho e bom gargarejo com água ajuda, mas não resolve o problema, porque apenas algumas gotículas chegam a hidratar a laringe, sem eliminar a saliva mais grossa que prejudica a voz. Outras receitas tradicionais, como tomar uma colher de mel, também aliviam um pouco a dor, mas trazem um inconveniente: como essas substâncias possuem efeito anestésico, elas podem mascarar o desgaste e até agravar as lesões nas pregas vocais.

Dicas melódicas Saiba o que ajuda - e o que atrapalha - quem gosta de cantar

SOLUÇÃO DUVIDOSA

Remédios caseiros contra a rouquidão, como própolis, mel e pastilhas de menta, são eficazes apenas por um curto período. Seus efeitos anestésicos diminuem a dor por algum tempo, mas podem mascarar o desgaste e piorar ainda mais o problema

FRUTA AMIGA

A maior vantagem da maçã é o chamado efeito adstringente: durante a mastigação, a fruta vai raspando a superfície da boca e da faringe. Com isso, a saliva grossa não atrapalha o trabalho das pregas vocais, que vibram com a passagem do ar e produzem a voz

REFRESCO SAUDÁVEL

A água é uma aliada dos cantores porque ajuda a diluir a saliva grossa da boca. Mas não adianta se encher de líquido de uma vez: o ideal é uma hidratação constante, com pequenos goles ao longo do dia, para que aos poucos a saliva se torne mais rala

VÍCIOS FORA DO TOM

Os malefícios do cigarro são bem conhecidos: a fumaça agride o sistema respiratório, resseca as pregas vocais e aumenta o pigarro na laringe. Pior ainda se a pessoa exagerar no álcool, que disfarça a dor e pode agravar as conseqüências de um grito, por exemplo

AR CONDENADO

Para quem trabalha em escritórios, um dos grandes inimigos da voz é o ar-condicionado, que resfria o ambiente mas também retira a umidade do ar. O resultado, outra vez, é que a laringe fica ressecada, e a pessoa precisa se esforçar mais para falar

DELÍCIAS PROIBIDAS

Chocolate, leite, queijos e outros derivados engrossam a saliva, atrapalhando a vibração das pregas vocais. O café também é outro inimigo da voz: por ser quente, a bebida resseca a laringe e, se a pessoa abusar da voz, pode até causar pequenos machucados

GOGÓ APERTADO

Uma das regras para cantar tranqüilo é deixar a laringe livre para se movimentar. Roupas justas ou de gola alta dificultam esse princípio, restringindo o sobe-e-desce do órgão e prejudicando o show

Fonte: Gisele Gasparini, fonoaudióloga do Centro de Estudos da Voz, e livro Voz, o Livro do Especialista, de Mara Behlau

Você também pode gostar de:

Fechar