Mundo Estranho

Existe cirurgia para aumentar o tamanho do pênis?

por Marina Motomura | Edição 20

Existem dois tipos de operação com esse objetivo: uma para aumentar o comprimento e outra para incrementar o diâmetro do órgão. Na primeira, o cirurgião faz o pênis crescer expondo um pedaço dele que normalmente fica escondido na pélvis. Na outra cirurgia, o médico enxerta algum material entre a pele e o interior do pênis, "inflando" o dito-cujo. São procedimentos simples: levam menos de uma hora e só requerem anestesia local. Mas o paciente deve avaliar com cuidado as conseqüências antes de encarar o bisturi. Nas duas cirurgias, os riscos envolvidos são consideráveis. E é justamente essa a causa da acalorada polêmica entre os médicos sobre o assunto. No Brasil, onde cirurgias assim são feitas desde o início da década de 90, o Conselho Federal de Medicina (CFM) acabou proibindo-as parcialmente em 1997, alegando insegurança e ineficácia. Muitos especialistas condenam a operação. "Essas cirurgias são anedóticas.

Têm resultados péssimos", diz o urologista Joaquim de Almeida Claro, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Os médicos contrários à técnica também insistem que os homens que buscam o aumento do pênis deveriam procurar primeiro aconselhamento psicológico, pois a maior parte deles tem órgãos com tamanhos considerados normais. Mas, como o tema é controverso, os cirurgiões que praticam a operação discordam dessas avaliações: "O homem que sofre com isso questiona sua performance sexual o tempo todo. O desconforto que ele sente com o próprio corpo é enorme. Eu nunca vi psicólogo resolver isso", diz o cirurgião vascular Márcio Dantas de Menezes, da Sociedade Brasileira de Medicina Sexual. De qualquer forma, é bom frisar que o CFM, principal entidade médica do país, só autoriza a operação para homens com micropênis (órgão com menos de 2 centímetros) ou na reconstrução de tecidos para mutilados em acidentes.

Mergulhe nessa

Na internet:

http://www.sbu-sp.org.br

http://www.cosmeticsurgeryint.com/procedure.html

http://www.drwhitehead.com/pl.html

Patrimônio pra toda obra? Perda do ângulo de ereção é um dos riscos de recorrer a duas técnicas controversas

DE OLHO NO COMPRIMENTO...

Como é a cirurgia: Após fazer uma abertura de 3 centímetros na pele acima da pélvis, o cirurgião corta os ligamentos que prendem a base interna do pênis aos ossos da bacia. Essa parte interna do órgão, então, projeta-se para fora, aumentando o tamanho do pênis em cerca de 2 centímetros. Esse procedimento dura aproximadamente 45 minutos

Os perigos: Depois da cirurgia, o paciente não deve fazer sexo por um mês. A operação pode trazer efeitos colaterais indesejados, como o risco da diminuição do ângulo de ereção e a retração do pênis se o órgão não cicatrizar bem. Também há perigo de infecções e quelóides (grandes cicatrizes permanentes)

...E TAMBÉM NO DIÂMETRO

Como é a cirurgia: O médico pode injetar em volta do pênis gordura (retirada do corpo do paciente), placas de colágeno (emprestadas de porcos) ou materiais sintéticos, como um gel derivado do petróleo. Essas substâncias expandem o tecido entre a pele do pênis e a albugínea, que envolve o interior do órgão. A cirurgia dura cerca de meia hora

Os perigos: O paciente pode fazer sexo 36 horas após a cirurgia, mas deve continuar usando um aparelho de fisioterapia (uma armação em torno do pênis) até que o material do enxerto se distribua por completo — o que pode durar cerca de 3 meses. Um risco da operação é o pênis absorver mal o que foi injetado, o que pode torná-lo fino novamente ou disforme

Você também pode gostar de:

Fechar