Mundo Estranho

Por que ocorrem tantos ataques de tubarão em Recife?

por Yuri Vasconcelos | Edição 17

Existem vários fatores que explicam esses ataques, mas os especialistas consideram que talvez o principal deles tenha sido a construção do porto de Suape, ao sul de Recife. Ele foi inaugurado em meados da década de 80, mas passou a funcionar a pleno vapor a partir dos anos 90. E foi exatamente nessa última década que começaram a explodir os ataques de tubarões nas praias metropolitanas de Recife - foram cerca de 40 incidentes, causando a morte de 13 pessoas. Antes desse período, quase nenhum caso havia sido registrado na região. "Parece haver uma correlação significativa entre o número de navios do porto e a ocorrência de ataques. Os tubarões reconhecidamente costumam seguir grandes embarcações", afirma o biólogo Fábio Hazin, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Mas também existem outros fatores que explicam o problema, como a elevação do número de surfistas e banhistas no mar, a crescente pesca de arrasto de camarão - com os barcos despejando restos da pescaria no mar, o que atrai os tubarões -, a topografia do relevo submarino da região e até mesmo algumas condições climáticas, como a influência dos ventos nas correntes marítimas. De acordo com Fábio, que tem acompanhado de perto a situação, as principais espécies responsáveis pelos ataques são o tubarão-tigre (Galeocerdo cuvier) e o cabeça-chata (Carcharhinus leucas). As duas espécies são conhecidas pela ferocidade de seus ataques e pelo grande apetite. Uma prova desse poder predatório é que já foram encontrados no estômago de tubarões capturados os mais variados objetos, como placas de carro, garrafas, sacos plásticos e até mesmo latas de cerveja.

Fuja deles Duas espécies são responsáveis pela maioria dos incidentes

Até 3,5 metros

CABEÇA-CHATA (Carcharhinus leucas)

Extremamente adaptável à água doce, ele já foi encontrado no rio Amazonas a 4 quilômetros da costa. Tem nariz largo e achatado, olhos pequenos, barriga branca e corpo acinzentado. As fêmeas costumam ser maiores que os machos

Até 6 metros

TUBARÃO-TIGRE (Galeocerdo cuvier)

É uma das espécies mais temidas em função da violência de seu ataque. Ele come uma grande variedade de animais (tartarugas, raias, moluscos), inclusive membros da mesma espécie. Tem esse nome em função das manchas pretas no corpo

Atração fatal Condições naturais e modernização da região fizeram as feras se aproximar dos banhistas

Ventos preocupantes

A maioria dos ataques ocorre quando o vento sopra forte de sul e sudeste. Nesses dias, as correntes oceânicas do sul para o norte se intensificam, trazendo para perto das praias de Recife os tubarões que seguem os rastros de navios no porto de Suape

Vítima preferencial

Os surfistas são os que mais sofrem, pois ficam muito tempo na água. Além disso, as ondas se formam longe da praia, perto do banco de areia, aproximando ainda mais surfistas e tubarões, que podem confundir as pernas boiando na água com peixes se debatendo

Porto polêmico

O crescimento das atividades do porto de Suape, ao sul de Recife, fez aumentar o tráfego de navios na região. Atraídos pelos restos de alimentos e dejetos jogados no mar, tubarões seguem as embarcações, aproximando-se da costa

Maternidade nova

A destruição de mangues onde foi construído o porto de Suape fez com que as fêmeas de tubarão cabeça-chata que usavam o local para parir migrassem para o estuário do rio Jaboatão, ao norte. Esse rio desemboca exatamente nas praias de Recife

Canal tentador

Um banco de areia se estende no mar a cerca de mil metros das praias recifenses. Entre essa longa faixa, com profundidade entre 1 e 3 metros, e a praia é formado um canal profundo (entre 5 e 8 metros), que se transforma numa espécie de refeitório para os tubarões

Comida fácil

O problema da existência de um canal entre as praias e o banco de areia é que ele atrai várias espécies de raias, justamente um dos "pratos favoritos" dos tubarões. A presença de tantas presas nessa área faz os tubarões permanecerem mais tempo perto das praias

Você também pode gostar de:

Fechar