Mundo Estranho

Por que os piolhos preferem atacar as crianças?

por Yuri Vasconcelos | Edição 53

As crianças são vítimas mais atraentes para os piolhos porque têm um contato físico muito maior entre si, principalmente em creches e escolas. Nesses locais é bastante comum, por exemplo, a garotada dividir bonés, pentes, escovas, almofadas... Como entre os adultos esse contato entre várias pessoas é menor, os insetos não se propagam com tanta facilidade. Por isso, essa praga, que costuma ser um problemão durante a infância, quase sempre some da vida de quem vai ficando mais velho. "Além disso, as crianças são geralmente menos sensíveis e não percebem que estão sendo picadas, o que facilita a infestação e retarda o tratamento", afirma o biólogo Carlos Fernando Andrade, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Há ainda cientistas que andam especulando uma outra teoria, a de que a cabeça das crianças seria mais apetitosa para esses insetos, que se alimentam de sangue. Alguns especialistas acreditam que as crianças podem exalar determinados hormônios, chamados cairomônios, que as tornam mais atraentes para os piolhos. Mas isso ainda não está comprovado. Segundo o biólogo e especialista em piolhos Pedro Marcos Linardi, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), os principais períodos de transmissão e infestação dessa praga acontecem nas épocas de volta às aulas, tanto no começo quanto no meio do ano. Inseto universal, o piolho (Pediculus capitis) é encontrado em qualquer região climática do mundo e infesta pessoas de todas as classes sociais.

Eles fazem a nossa cabeça Piolho vive um mês e pode botar até cem ovos nesse período

É O COMEÇO DA PICADA

O alimento do piolho é o nosso sangue, que ele consegue picando o couro cabeludo. Nesse ataque, o piolho usa um órgão sugador parecido com uma tromba. Ele ainda injeta no local uma espécie de saliva, que tem substâncias que evitam a coagulação do sangue, garantindo um rango mais farto

BICHO CASCA DE FERIDA

O número de piolhos varia. Numa infestação média, cerca de 50 insetos fazem a festa na cabeça da vítima. Já numa grande infestação, há até o dobro disso — nesses casos, a pessoa até pode ficar anêmica pela perda de sangue. Outro problema são as reações às picadas, que, em alguns casos, podem gerar feridas no couro cabeludo, levando a infecções

NA BASE DA COCEIRA

O ciclo de vida de um piolho é de cerca de um mês. Nesse período, a fêmea é capaz de colocar mais de cem ovos. Essas lêndeas são fixadas na base do fio do cabelo, junto ao couro cabeludo, graças a uma substância liberada pelas "mães" que funciona como um cimento. A região da nuca e das orelhas são os locais preferidos para a postura dos ovos

OVO COM VALIDADE

Esbranquiçadas, as lêndeas têm cerca de 0,8 mm de comprimento e uma casca altamente resistente à penetração de inseticidas. Como elas levam cerca de sete dias para virar ninfas — quando os piolhos passam a ficar vulneráveis aos remédios — o tratamento para eliminar essa praga precisa ser repetido depois de uma semana

ATAQUE DE NINFETAS

Existem três fases principais na vida desse inseto: a fase de lêndea (o ovo do piolho), a de ninfa (quando ele deixa a casca e começa a se desenvolver) e a de piolho adulto. Uma ninfa mede por volta de 1,5 mm, leva duas semanas para atingir a idade adulta e troca de pele três vezes nesse período

O INSETICIDA CONTRA-ATACA

O melhor jeito de se livrar da praga é usando loções e xampus à base de inseticidas — com substâncias como a piretróide. Esses produtos penetram no corpo dos piolhos e causam reações neurotóxicas que matam os insetos. Além dos remédios, é fundamental o uso de pente fino, a catação (piolho a piolho) e a higiene de roupas de cama e toalhas da pessoa infestada

O FIO DA MEADA

Com cerca de 2,5 mm, os piolhos adultos têm três pares de pernas e uma garra na ponta de cada uma delas, que permite que se fixem nos fios de cabelo. Eles descem ao couro cabeludo só para se alimentar. Ao contrário das pulgas, os piolhos não pulam e só passam de uma cabeça pra outra se os fios de cabelo de ambas tiverem algum contato

Irmãos de sangue Duas outras espécies da "família" atacam o homem

Piolho Pubiano (Pthirus Pubis)

Também conhecido como chato, infesta os pêlos da região genital

Piolho de Corpo (Pediculus Humanus)

Vive em roupas e lençóis e infesta os pêlos espalhados pelo corpo da pessoa

Os três tipos de piolho vivem em lugares diferentes por causa das características das regiões do corpo, que podem ou não ser favoráveis à fixação de cada espécie. O piolho de cabeça, por exemplo, precisa de territórios abrigados para viver e, por isso, não ataca os pêlos espalhados pelo corpo, que ficam mais expostos. Já o chato adora lugares bem abafados, por isso prefere ficar sob as roupas íntimas.

Você também pode gostar de:

Fechar