Mundo Estranho

Quais os robôs humanoides mais importantes já criados?

por Bruno Lazaretti | Edição 129

Desde a década de 70, quando rolaram os principais avanços nessa área, já houve vários robôs humanoides (capazes de se mover e interagir como humanos) e androides (que simulam nossa aparência e expressões). Embora a evolução tenha sido grande, ainda falta muito para chegar à inteligência artificial – o Santo Graal da mecatrônica. Também nunca houve grandes aplicações práticas para esse tipo de robô. Nesse sentido, os maiores avanços aconteceram com as máquinas que operam nos setores militares, industriais e de saúde.

NÓS, ROBÔS

Uma breve linha do tempo dos modelos humanoides e androides

WABOT-1

Ano: 1973

O primeiro humanoide foi criado pela universidade Waseda, em Tóquio. Ele se movia com as próprias pernas, tinha braços funcionais com sensores táteis, era capaz de responder a perguntas simples e possuía um sistema de visão e receptores para medir distâncias. Tudo muito rudimentar, claro – mas funcional

COG

Ano: 1994

Criado pelo Massachussetts Institute of Technology (MIT), nos EUA, concretizou duas teorias: a de que um robô poderia aprender e a de que as interações seriam mais naturais quanto mais “humano” um robô parecesse. Com sensores, câmeras e 22 graus de movimento, tornou-se o primeiro humanoide com desenvolvimento cognitivo

P2

Ano: 1996

A Honda foi a primeira empresa a entrar na corrida robótica. Seus 11 protótipos, desde 1986 até hoje, representaram avanços importantes. O P2 foi o primeiro humanoide a bateria (sem precisar de cabo de força) e autorregulado (sem precisar de computadores externos). Tinha 30 graus de movimento,subia escadas e erguia até 10 kg

KISMET

Ano: 1997

Surgiu como desenvolvimento do Cog. Era uma versão melhorada de sua cabeça, que tentava provar que que expressões mais detalhadas facilitariam a comunicação. Contava com 21 graus de movimentos faciais, câmeras nos olhos, microfones nas orelhas e podia aprender expressões por observação

ASIMO

Ano: 2000

Faz parte de uma linha produzida pela Honda até hoje. A versão de 2011 tem um corpo competente, mas não ameaçador – um princípio da robótica humanoide. São 57 pontos de articulação, incluindo cinco dedos autônomos, capazes de tarefas delicadas, como abrir garrafas e servir líquidos

O ASIMO é capaz de se equilibrar e até correr a 9 km/h, sem cair.

GEMINOID

Ano: 2007

Hiroshi Ishiguro, diretor do Laboratório de Robótica Inteligente da Universidade de Osaka, dedica-se a estudar se um androide pode ser aceito socialmente. O resultado são os robôs dessa linha, com pouca autonomia, mas cada vez mais parecidos com humanos. O modelo mais recente, Geminoid-F, é de 2010

Experimentos com o Geminoid-F provaram que, quanto mais ele se parece com um humano, mais as pessoas tentam encontrar nele traços que o desmascarem

HRP-4C

Ano: 2009

O Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Industrial Avançada, do Japão, projeta híbridos de humanoides e androides. Note o rosto e as mãos de silicone deste modelo, o mais recente. Ele baseia suas ações na captura digital dos movimentos humanos, o que torna seu caminhar mais natural e realista

Você também pode gostar de:

Fechar