Mundo Estranho

Quais são os principais tipos de câncer? E os mais letais?

por Giba Stam | Edição 19

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), os mais comuns são os de pulmão, mama, colo-retal, estômago e fígado, que juntos respondem por quase metade dos novos casos de câncer que surgem no mundo a cada ano. Mas o que é essa doença que assusta tanta gente? O câncer pode aparecer em praticamente qualquer parte do corpo, quando uma célula sofre mutações e passa a se dividir descontroladamente. Essas células doentes são capazes de induzir a formação de novos vasos sanguíneos para se alimentar e, quando atingem a fase chamada metástase, usam esses caminhos abertos para se espalhar pelo resto do corpo.

A letalidade do câncer, ou seja, sua capacidade de matar, depende de vários fatores. "Primeiro, das características do próprio câncer, como a rapidez com que ele cresce e invade tecidos e órgãos", diz o biólogo molecular Roger Chammas, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). Além disso, a letalidade depende da capacidade que cada organismo tem para reagir e combater a doença. Por fim, pesa também a existência de algum tipo de tratamento eficaz. "O câncer de testículo, por exemplo, que já foi letal, hoje apresenta até 95% de chances de cura", afirma Roger. Atualmente, os especialistas têm investido em duas grandes áreas em busca de uma cura definitiva para a doença. Uma linha de pesquisa aposta na tentativa de cortar o suprimento de sangue do câncer, matando as células doentes por falta de alimentos. Outra trabalha com a idéia de estimular o sistema imunológico do paciente, ajudando o organismo a reconhecer as células cancerosas para eliminá-las.

quais-sao-os-principais-tipos-de-cancer-e-os-mais-letais

 

Inimigo oculto A doença pode se espalhar por quase todo o corpo e muitas vezes de maneira silenciosa

PULMÃO - O mais perigoso

Com 1,2 milhão de novos casos a cada ano, esse é o tipo de câncer mais comum e também o que mais mata no mundo. Ele é perigoso porque geralmente surge acompanhado de outras doenças associadas ao cigarro, como o enfisema, que diminui a capacidade pulmonar e pode tornar inviável uma cirurgia, tratamento recomendado em casos de câncer de pulmão não avançado. Os principais sintomas são tosse, escarro com sangue, dor no tórax, falta de ar e inflamação nos brônquios. Noventa por cento dos casos são causados pelo tabagismo, vício que atinge um terço da população mundial adulta.

MAMA - Problema nacional

É o câncer que mais mata mulheres no Brasil. No mundo todo, surgem cerca de 1 milhão de casos anualmente. A incidência aumentou dez vezes nas décadas de 60 e 70, mas a letalidade foi reduzida graças às campanhas de prevenção, que permitiram diagnósticos mais precoces da doença. O auto-exame, os exames clínicos anuais e as mamografias freqüentes podem reduzir a mortalidade das mulheres propensas ao problema, principalmente após os 50 anos. Com exceção do aspecto hereditário, não se conhecem bem os fatores de risco para o câncer de mama, mas é possível que o consumo excessivo de bebidas alcoólicas seja um deles.

COLO-RETAL - Sintomas tardios

Esse câncer, que atinge a região do intestino grosso e do reto, é o terceiro tipo mais comum no mundo, com 940 mil novos casos por ano. Nos Estados Unidos, é o segundo câncer que mais mata, depois do pulmão. Os principais sintomas são diarréia, prisão de ventre, gases, dor na região do abdômen, náuseas, vômitos e emagrecimento. É causado principalmente por dietas com alto teor de gordura, consumo de carne, obesidade e sedentarismo. Os sintomas geralmente só aparecem em estágios mais avançados, o que torna esse tipo de câncer bastante letal.

ESTÔMAGO - Dieta de risco

Em termos de incidência, é o quarto tipo mais comum no mundo, com 870 mil casos por ano. Mas é o segundo que mais mata. Isso porque seus sintomas não são específicos: perda de peso, fadiga, falta de fome, vômitos, náuseas e desconforto abdominal. O resultado é que muitas vezes a doença passa despercebida, até entrar em estágio avançado, quando a cura é bem mais difícil. A dieta é o maior fator de risco, principalmente a ingestão de alimentos conservados no sal ou defumados, o que torna o câncer de estômago mais freqüente em países pobres, onde o uso desse método de conservação muitas vezes substitui a geladeira.

FÍGADO - Evolução assustadora

Quinto colocado em incidência (com 560 mil novos casos anuais), é o terceiro que mais mata. Geralmente está associado ao alcoolismo e à hepatite B e C, mas a doença também pode ser provocada pelo consumo de grãos mal armazenados, nos quais crescem fungos que produzem toxinas cancerígenas. Os principais sintomas são dores e inchaço no abdômen, náusea, falta de apetite e pele amarelada. Esse tipo de câncer se desenvolve muito rápido, podendo duplicar de tamanho em apenas quatro meses. O fígado também é alvo comum de outros cânceres, que entram em metástase e se espalham pelo corpo.

MELANOMA - Raro, mas temido

O melanoma é um câncer pouco incidente. São cerca de 130 mil novos casos por ano, o que corresponde a só 5% de todos os casos de câncer de pele do mundo. Mas, apesar de raro, ele é muito letal. Como a doença surge como uma pinta na pele, ela muitas vezes é ignorada, sendo diagnosticada tarde demais. Outros cânceres menos frequentes e perigosos são o de pâncreas, que não apresenta sintomas evidentes, e o chamado "linfoma de não hodgkin", que ataca células nos gânglios e pode se espalhar rápido pelo corpo.

100 mil novos casos por ano no mundo

Mergulhe nessa

Na internet:

www.inca.gov.br/index.asp

www.cancer.org/docroot/home/index.asp

Você também pode gostar de:

Fechar