Mundo Estranho

Qual a diferença entre os diversos tipos de cerveja?

por Por Gilberto Stam | Edição 15

Qualquer pequena alteração na mistura de ingredientes da bebida pode alterar o gosto, a cor ou o aroma. Por isso existem cerca de 150 tipos de cerveja no mundo. As diferenças aparecem já na escolha das matérias-primas. A maioria das cervejas é feita com grãos de cevada germinados, torrados e triturados para formar o malte, mas algumas variedades usam o trigo no lugar da cevada ou acrescentam milho e arroz para baratear o produto. Além disso, quanto mais torrada a cevada, mais escura fica a cerveja. Na etapa seguinte, o malte passa por uma caldeira de cozimento e recebe o lúpulo, a flor que dá o sabor amargo à bebida. "Além do tipo de lúpulo, que pode ser mais ou menos amargo, o momento em que ele é adicionado é importante: quanto mais cedo, mais suave o sabor, porque o cozimento neutraliza as substâncias químicas da flor", diz a mestre-cervejeira Cilene Saorin, degustadora profissional da bebida. Mas a maior distinção surge na etapa da fermentação.

Nessa hora, o malte misturado com água se transforma em cerveja propriamente dita pela ação das leveduras - fungos que se alimentam de açúcar e produzem álcool. O tipo de levedura determina as duas principais famílias de cerveja. A primeira reúne as marcas de baixa fermentação, em que a levedura usada afunda no líquido. Em inglês são chamadas de lagers e incluem bebidas leves e claras, como as principais marcas brasileiras, que, de acordo com os especialistas, devem ser consumidas numa temperatura entre 0 e 5 ºC. O segundo grupo é o das cervejas de alta fermentação, quando os fungos só flutuam na mistura final. Também conhecidas como ales, elas são geralmente mais fortes e podem ser consumidas a até 10 ºC. As diferenças param por aí, mas o processo de fabricação, não. Antes de ir para a garrafa, a cerveja passa até três meses em tanques de resfriamento. Depois, uma filtragem dá cor e brilho à bebida.

E, por fim, uma etapa de pasteurização prolonga a validade do produto.

Rodada completa

Variações nos ingredientes e na fermentação definem os oito principais tipos da bebida

Trappiste - Raridade cara

trappiste

Cerveja de alta fermentação produzida em apenas seis mosteiros na Bélgica e na Holanda. Geralmente, são fechadas com rolhas e a fermentação continua na garrafa. Possui grau alcoólico alto (8%) e sabor forte levemente apimentado, por causa do tipo de lúpulo utilizado. No Brasil, uma garrafa custa 50 reais.

Weissbier - Trigo X cevada

 

weissbier

Em alemão, weissbier significa "cerveja branca", uma referência ao uso de trigo em vez de cevada para fazer malte. Essas cervejas de alta fermentação e teor alcoólico de 5% têm aromas que lembram maçã cozida e cravo. As mais conhecidas são as alemãs Erdinger e Weizenbock, servidas como cervejas natalinas.

Pale Ale - Ovelha branca

Schlafly_pale_ale

Ao contrário dos outros tipos de alta fermentação, em geral escuros, a pale ale normalmente é dourada. Seu gosto também é único: além do álcool, o tipo de levedura utilizado gera substâncias aromáticas que lembram o gosto de frutas. Surgiu na Alemanha no século 16 - no Brasil, a Baden Baden representa a variedade.

Dry Stout - Sabor de café

633px-Guinness_7686a

A marca Guiness é a mais famosa desse estilo de cerveja, de cor quase totalmente negra, surgida na Irlanda e produzida tanto por alta como por baixa fermentação. O gosto seco e amargo da torragem do malte e da cevada lembra um pouco o sabor de café. O teor alcoólico geralmente é médio, variando entre 5 e 6%.

Bock - Tradição invernal

600px-Bar_Luiz_1887_

Muito apreciada no inverno, único período do ano em que é produzida, a bock é uma variedade escura e forte por causa do malte bem torrado e do lúpulo amargo. Foi inventada no século 14 na cidade de Einbeck, na Alemanha. O nome original dessa cerveja de baixa fermentação era beck, uma homenagem à região onde apareceu.

Draft - Estilo americano

640px-BintangBeer

Com menos de 5% de teor alcoólico, é o tipo mais popular nos Estados Unidos, onde a marca Miller é uma das mais consumidas. Também pertence à família de baixa fermentação - a diferença é que a draft não passa pelo processo de pasteurização, mas por uma filtragem que retira microrganismos e aumenta sua validade.

Pilsen - Preferência nacional

640px-Yucca_Beer_Cerveja_Colorado_Cauim

O tipo mais conhecido no Brasil pertence à família das cervejas de baixa fermentação e surgiu em 1842, na cidade de Pilsen, na República Tcheca. Em geral, têm teor alcoólico de 5% e lúpulo amargo, que causa aquela sensação de boca seca. O chope é uma pilsen, mas, por não ser pasteurizado, só dura um mês.

Framboise - Acidez disfarçada

Timmermans_framboise

Criada no século 17, essa cerveja belga é a única feita com a fermentação espontânea dos próprios microrganismos do ar. Por isso, sua qualidade varia muito. Para diminuir a acidez do sabor, os inventores acrescentaram xarope de framboesa, gerando a cor avermelhada dessa variedade.

Você também pode gostar de:

Fechar