Logo ME

Como era a anatomia de um crocodilo gigante?

A mordida do Sarcosuchus imperator equivalia a 8 toneladas. Isso significa que forçar a abertura de sua boca seria tão difícil quanto erguer uma baleia

Ele tinha o focinho estreito, placas ósseas nas costas e passava muito tempo debaixo d’água. Essa é a descrição do Sarcosuchus imperator, réptil considerado o maior crocodiliano da história. Como ele não pertenceu à ordem Crocodylia, da qual fazem parte os crocodilos e jacarés atuais, não pode ser chamado de “crocodilo”, embora tenha aparência muito similar. A grande diferença do Sarcosuchus era seu focinho, que lembrava o do gavial. Esse gigantesco animal viveu no começo do Cretáceo, quando o Deserto do Saara, onde foram achados seus fósseis, ainda era uma região pantanosa. Um estudo dos anos 70, porém, atribui fósseis encontrados na Bahia ao gênero Sarcosuchus, corroborando a hipótese de que, antes de se separarem, a África e a América do Sul podem ter tido uma fauna em comum.

(Márcio L. Castro/Mundo Estranho)

(Márcio L. Castro/Mundo Estranho)

FOCINHO
É provável que o Sarcosuchus se alimentasse principalmente de peixes. Isso é corroborado pelo focinho em formato semelhante ao do gavial, um crocodilo atual que é majoritariamente piscívoro. Porém, como o Sarcosuchus permanecia crescendo sua vida inteira, o focinho aumentava de tamanho com a idade, tornando provável que ele também predasse animais maiores, como dinossauros. A mordida tinha uma força de 8 toneladas. Isso significa que forçar a abertura de sua boca seria tão difícil quanto erguer uma baleia

(Márcio L. Castro/Mundo Estranho)

BULA
Fósseis encontrados tinham uma depressão no focinho, sugerindo que os tecidos moles nessa parte formavam uma espécie de câmara. Não se sabe ainda a função dessa câmara, chamada bula. Especula-se que ela pudesse servir para ampliar o sentido do olfato ou então para amplificar os grunhidos do animal quando ele se comunicava

(Márcio L. Castro/Mundo Estranho)

OSTEODERMAS
O dorso do animal era coberto por osteodermas, que são depósitos ósseos semelhantes a escamas. Elas serviam principalmente para proteção contra mordidas e ataques de dinossauros. Havia 70 no total, divididas em duas filas de 35

Veja também

(Márcio L. Castro/Mundo Estranho)

HABITAT
Diferentemente de seus parentes mais próximos, que viviam em ambientes marítimos, o Sarcosuchus preferia rios. Ele passava boa parte do tempo submerso, apenas com os olhos à espreita, e emboscava animais que vinham à margem beber

(Márcio L. Castro/Mundo Estranho)

CONSULTORIA Dra. Gabriela Sobral, paleontóloga da Universidade Federal de Santa Catarina
FONTES Livro Biology and Evolution of Crocodylians, de Gordon Grigg e David Kirshner; artigos The Giant Crocodyliform Sarcosuchus from the Cretaceous of Africa (vários autores) e The Giant Crocodilian Sarcosuchus in the Early Cretaceous of Brazil and Niger, de E. Buffetaut e P. Taquet