Logo ME

A maldição do diamante Hope e outras pedras preciosas zicadas

A maldição do diamante Hope começa na Índia, onde ele foi encontrado, e causa muitos estragos mundo afora

 

ILUSTRAS Dalts

Diamante Hope - Lobos

A LENDA DA MALDIÇÃO DO DIAMANTE HOPE

1) As origens do diamante Hope são envoltas em mistério. Há quem diga que era o olho de uma estátua da deusa Sita, num templo hindu. A maldição teria se iniciado quando ela foi roubada, no século 17, pelo mercador francês Jean Baptiste Tavernier. Supostamente, Tavernier teve uma morte trágica, devorado por lobos.

 

Diamante Hope - Guilhotina

2) A pedra tinha 112 quilates (22 g, que valiam cerca de 150 kg de ouro). Mas, comprada pelo rei francês Luís XIV, em 1668, foi lapidada em uma peça menor, o Diamante Azul da Coroa. Ficou na família real por três gerações, até que Luís XVI o ofereceu à Maria Antonieta, em seu casamento. Em 1793, o casal foi guilhotinado.

 

Diamante Hope - Dívidas de família

3) Com os eventos da Revolução Francesa, o diamante sumiu e só reapareceu em 1812, nas mãos do banqueiro inglês Thomas Hope, que o rebatizou. Em 1839, seu irmão Henry assumiu a posse da pedra, mas morreu no mesmo ano. O neto Francis teve que vendê-la para quitar dívidas da família. Acredita-se que sua esposa,  May Yohé, foi a primeira a afirmar que o diamante estava amaldiçoado. Ela até estrelou o filme The Hope Diamond Mystery (1921). Mas morreu pobre.

 

Diamante Hope - Sanatório

4) Em 1907, o merchant norte-americano Simon Frankel, também dono do diamante, faliu e jogou a culpa na pedra. Em 1911, ela chegou à socialite Evalyn McLean, cujo filho morreu em um acidente de carro e o marido foi internado em um sanatório. Ela foi a última dona particular – hoje, o Hope pertence ao Instituto de Museus Smithsonian.

 

+ A maldição por trás do filme O Bebê de Rosemary

+ A maldição por trás do filme A Profecia

 

OUTRAS PEDRAS PRECIOSAS AMALDIÇOADAS

 

Koh-i-noor

Só para mulheres

Uma lenda afirma que o diamante Koh-i-Noor, que ornamenta a coroa inglesa, traz má sorte para os homens que o possuem. Antes de ser confiscada pela realeza britânica, em 1850, a belezura de 109 quilates foi associada a várias mortes, como a do imperador indiano Shah Jahan, que construiu o Taj Mahal, e de seus filhos.

 

Diamante Hope - Black Orlov

Cortando o mal pela raiz

Outra história folclórica afirma que, há muitos séculos, um monge roubou um diamante de uma estátua hindu e, a partir daí, a pedra ficou amaldiçoada, levando seus donos ao suicídio. Para interromper a zica, o tesouro (conhecido como Olho de Brahma) foi lapidado em outras gemas, dando origem ao Black Orlov. Em 2006, a atriz Felicity Huffman desafiou a má fama da pedra e a usou na cerimônia do Oscar, em que concorria como melhor atriz. Não venceu…

 

+ Qual foi a maior pedra preciosa já encontrada?

+ Como funciona uma mina de diamante?

 

Diamante Hope - La Peregrina

Lágrima da traição

Uma das joias da atriz Elizabeth Taylor, a pérola La Peregrina, tem uma trajetória associada a casos de traição. Pertenceu ao rei espanhol Felipe II, que a deu à rainha inglesa Maria Tudor. Ela morreu quatro anos depois. A pérola voltou para a coroa espanhola e devastou a dinastia Habsburgo na Espanha.

 

Diamante Hope - Delhi Purple

Safira de araque

A safira Delhi Purple, que na verdade é uma ametista, é associada à má sorte e ao suicídio. Seu último dono, o cientista Edward Heron-Allen, tentou se livrar dela várias vezes, mas ela sempre era devolvida! Após sua morte, em 1943, a pedra foi doada ao Museu de História Natural de Londres, com uma carta advertindo seus futuros donos.

 

FONTES Revistas Business Week, Time, VEJA e Época; jornais The Sun, Washington Post e O Estado de S. Paulo; sites Powerball, Terra, LiveScience, Luxist, maristpoll.marist.edu e royal.gov.uk; e livros Felicidade S.A., de Alexandre Teixeira, e The Mystery of the Hope Diamond, de Henry Leyford Gate