Logo ME

Como funciona o bafômetro?

Breathalyzer_training

Esse “pega-bêbado tecnológico” usa o álcool presente no hálito para calcular se a pessoa passou dos limites etílicos. Mas não pense que dá para enganar o aparelho mascando chiclete, tomando café ou comendo cebola. Não é o cheiro que ativa o bafômetro, mas a simples presença do etanol (nome científico do álcool) no ar exalado pelos pulmões. “A maior parte do álcool é metabolizada no fígado, mas de 5% a 10% são eliminados por outras vias, como o ar, a urina e o suor”, afirma o biofarmacêutico Mauricio Yonamine, da Universidade de São Paulo. O responsável pela invenção que põe na parede os beberrões foi o policial forense americano Robert Borkenstein. Em 1954, ele apresentou o primeiro protótipo de um aparelho que determinava se o motorista extrapolou no bar. Por várias décadas, os tiras usaram um bafômetro descartável, um tubo plástico que continha uma substância que reagia em contato com álcool, adquirindo uma coloração em tons de verde ou azul, dependendo do grau de embriaguez. Hoje, bafômetros modernos usam células de combustível, que produzem correntes elétricas de acordo com o nível de álcool – quanto mais etanol, maior a corrente. De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, dirigir sob a influência de álcool em nível superior a 0,6 grama por litro de sangue é infração gravíssima. Para chegar a esse grau de manguaça, uma pessoa de 70 quilos precisa ter bebido pelo menos três copos de 250 mililitros de cerveja. “Esse limite depende do peso da pessoa e de outros fatores, como se ela está de estômago cheio ou se é homem ou mulher”, diz Mauricio.

Antimanguaceitor Beberrões são pegos pelo álcool exalado junto com o ar dos pulmões

1. A detecção do nível de álcool começa quando um sujeito manguaçado dá uma baforada dentro do bafômetro. O ar cheio de partículas de álcool entra no aparelho por meio de um tubo, viajando até um componente chamado célula de combustível

2. A célula de combustível é revestida com eletrodos de platina. Em contato com a platina, o álcool sofre uma reação química de oxidação, formando prótons (partículas positivas) e elétrons (particulas negativas) de uma substância chamada ácido acético

3. As células de combustível são recheadas com ácido eletrolítico. Os elétrons, que formam a corrente elétrica, passam direto pelo ácido eletrolítico. Essa passagem de elétrons é registrada por um medidor de corrente elétrica ligado à célula de combustível

4. A medida da corrente elétrica (a contagem de quantos elétrons passaram pela célula) indica o nível alcoólico do manguaceiro. Quanto maior a corrente, mais bêbado o motorista está

5. Por fim, um microprocessador “traduz” o valor de concentração alcoólica que equivale à corrente medida. Depois, o resultado aparece num visor. Se o nível alcoólico for maior do que 0,6 grama por litro de sangue, o bêbado paga multa e fica impedido de dirigir