Logo ME

O Fogovivo de “Game of Thrones” existiu mesmo?

Sim! A arma usada na Batalha de Água Negra, no penúltimo episódio da segunda temporada de Game of Thrones, realmente existiu

GoT

Sim! A arma usada na Batalha de Água Negra, no penúltimo episódio da segunda temporada de Game of Thrones, realmente existiu.

Segundo o livro A History of Greek Fire and Gunpowder, dos historiadores J. R. Partington e Bert S. Hall, esse fogo que queima tudo que encontra pela frente (mesmo quando jogado sobre a água) teria surgido pelas mãos dos químicos de Constantinopla, no final do século 7. E foi na capital do Império Bizantino que virou uma poderosa arma de guerra, essencial para repelir invasores árabes.

Podia ser usada de várias formas: dentro de jarras arremessadas por catapultas, caindo de guindastes sobre as vítimas ou ainda em um complexo mecanismo que injetava ar dentro de uma caldeira cheia de fogo. Esta, por sua vez, empurrava a mistura por uma mangueira até o inimigo.

A fórmula foi guardada como segredo de estado pelos bizantinos – e acabou morrendo com eles. Hoje, há apenas especulações sobre sua composição, que incluiria nitrato de potássio, óxido de cálcio e até petróleo. Ainda segundo relatos da época, as únicas substâncias que podiam apagar o fogo vivo eram areia, vinagre e urina.

LEIA MAIS

– Porque você NUNCA vai ver Game of Thrones no Netflix

– 8 lições de vida que aprendemos com Game of Thrones

– 8 versões animais do tema de abertura de Game of Thrones

– Frangote destroi A Montanha, de Game of Thrones, em queda de braço