Logo ME

Resenha – Acordar Outra Vez equilibra humor negro e senso crítico

(Arquivo pessoal/Mundo Estranho)

 

 

 

 

Muitas vezes, quando começo um livro, demoro um tempinho para terminar. Isso quase aconteceu com Acordar Outra Vez (R$ 44,90, 344 páginas, Ed. Globo Livros), porém, depois do primeiro capítulo, simplesmente não consegui desgrudar dele. A escrita de Joshua Ferris é atrativa e fluida, com um equilíbrio certeiro entre o humor negro e o senso crítico que prende o leitor à narrativa quase instantaneamente.

A história conta em primeira pessoa como Paul, dentista, fã de beisebol, ateu convicto e alheio a todas as redes sociais, vê sua rotina sagrada e sem-graça ser abalada quando uma conta misteriosa na internet começa a se passar por ele. Pior ainda, a tal conta espalha mensagens sobre uma religião da qual ninguém sequer ouviu falar. Conforme as pessoas do convívio de Paul começam a questionar a identidade real do usuário, ele acaba por perceber que talvez o seu “eu” falso da internet seja melhor do que quem ele realmente é.

Como personagem, o dentista é arrogante, egocêntrico e talvez até preconceituoso demais em relação às crenças dos outros. Mas seu humor sarcástico é perspicaz e convincente, principalmente quando se trata de sua visão sobre si mesmo. De longe, uma das melhores coisas do livro é conferir suas piadinhas sobre tudo – créditos aí às personagens secundárias, Betsy e Connie, esta última a ex-namorada de Paul. Ambas trabalham no escritório odontológico dele e são vítimas de sua amargura e seus constantes questionamentos em relação a moral e fé.

Com a ajuda de flashbacks intercalados (um elemento bem utilizado ao longo da narrativa), começamos a entender o passado drástico do dentista e as sequelas que isso deixou em diversas áreas de sua vida: vemos seu exagero nos relacionamentos, a vontade desesperada que ele tem de ser amado e a sua consequente desistência de mudar sua rotina, que obviamente o deixa infeliz por ser incapaz de abandonar velhos hábitos e sentir-se emocionalmente satisfeito.

O personagem é tão bem construído que, se o que tivéssemos aqui em pauta fosse uma análise psicológica, não seria difícil entender as surpreendentes mudanças de alguns pontos de vista de Paul a certa altura do livro. Aos poucos, ele se envolve mais do que poderia imaginar em toda a trama religiosa do tal usuário misterioso.

Infelizmente, no entanto, a partir da reta final, a coisa toda perde uma parte do fôlego. A história começa a se arrastar e chega a uma conclusão que pode ser um pouco decepcionante para quem esperava maiores emoções, como foi o meu caso, ainda que não deixe de ser um tanto poética. Ao todo, é uma leitura agradável que vale à pena fazer parte da sua biblioteca.

(Yasmin Ayumi/Mundo Estranho)

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Juliana Alves

    Olá, Lais! Preciso muito falar com alguém sobre esse livro haahaa acabei de ler e ainda estou um pouco confusa em relação ao final! Você poderia passar seu facebook ou um email para que possamos conversar? Ficaria imensamente feliz!!!

    Curtir

  2. Olá, Juliana! Eu adoraria trocar opiniões contigo sobre o livro. Pode me chamar no chat aqui: https://www.facebook.com/xx.laise

    Curtir