Logo ME

Qual a simbologia e as regras numa loja da maçonaria?

Entenda o templo do grupo

massons

ILUSTRA André Toma

1) Um mundo próprio

O formato de uma Loja tradicional é retangular, mais comprida no sentido leste-oeste. É uma representação de como se compreendia a área habitada na Terra na época de Salomão: uma faixa na Europa e partes da África e da Ásia. Segundo a mitologia, no oeste, o Estreito de Gibraltar era ladeado pelos Pilares de Hércules – representados, na Loja, pelos pilares Jachim e Boaz na entrada principal, que também fica no lado oeste.

2) Claro e escuro

As Lojas fazem referência ao Templo de Salomão. Por isso, as mais tradicionais ainda seguem certos preceitos, especialmente na sala principal de rituais (às vezes chamada de “templo”). O xadrez preto e branco no piso, por exemplo, seria uma representação do bem e do mal na natureza humana ou a união entre irmãos maçons.

3) Só o finalzinho

Em Lojas tradicionais, a cadeira do Mestre Venerável fica elevada acima de três degraus. É uma referência a Jacó, personagem bíblico que sonha com uma escada rumo aos céus. Convencionou-se que ela tinha sete degraus, cada um simbolizando uma virtude, mas a maçonaria só manteve os três últimos: fé, esperança e caridade.

4) Iluminados

A sala principal não tem janelas, o que é compensado pelo pé-direito alto. Geralmente no centro, ou próximo à cadeira do Mestre Venerável, um altar serve de apoio a algum livro sagrado (como a Bíblia ou a Torá). Em algumas Lojas, três fontes de luz são dispostas ao redor dele, formando um triângulo retângulo.

5) Oficiais do Sol

Há três cargos com funções específicas nos ritos de iniciação e passagem na Loja: o de Mestre Venerável, o de Primeiro Guardião e o de Segundo Guardião. Seus assentos ficam, respectivamente, nas paredes leste, oeste e sul da Loja. É uma referência a três posições do Sol: nascente, poente e em seu ponto meridiano.

FONTES LivrosEncyclopedia of Freemasoney and Its Kindred ScienceseThe Symbolism of Freemasonry, de Albert G. Mackey;O Livro Secreto daMaçonaria, de Otavio Cohen;Born in Blood – The Lost Secrets of Freemasonry, de John Robinson;Three Distinct Knocks, autor anônimo;Masonry Dissected, de Samuel Prichard;The Brotherhood, de Stephen Knight;Morgan’s Exposure of Free Masonry, de William Morgan;Manual of Freemasonry, de Richard Carlile;Duncan’s Masoic Ritual and Monitor, de Malcom C. Duncan;Low Twelve: By Their Deeds Ye Shall Know Them, de Edward S. Ellis;Pamphlets on Freemasons’ Rituals and Practice in Brazil, da Universidade de Princeton; e General Ahiman Rezon, de Daniel Sickels.Artigos Maçonaria: História e Historiografia, de Celia M. Marinho de Azevedo; eThe Third Degree Tracing Board, de Terry Spalding-Martin. E sitesThe New York Times,Former Masons,Hermetic,freemasonry.bcy.caefreemasons-freemasonry.com