Logo ME

Que alimentos estão em risco de extinção?

Mais de 750 produtos alimentícios estão ameaçados de sumir

Mais de 750 produtos alimentícios, de 48 países, estão ameaçados de sumir. O levantamento, batizado de Arca do Gosto, é feito pela ONG internacional Slow Food desde 1996. “Além do risco de sumir do mapa, para estar na lista, o alimento deve ter excelência gastronômica (rico em cheiro, sabor e textura), estar ligado ao contexto e à memória de uma comunidade, ser feito de modo artesanal e, de preferência, sustentável”, diz a nutricionista Neide Rigo, membro da comissão brasileira que analisa a entrada de produtos na lista negra. As principais razões que levam um alimento à zona de risco são: perda da tradição no modo de preparo; produção complexa; coleta não sustentável; localização do produto em área devastada; e desinteresse mercadológico, que faz com que produtores desistam de cultivar determinadas espécies.

BRASILEIROS EM RISCO

Dentre os 23 alimentos nacionais ameaçados estão: umbu – fruta do Nordeste -, arroz vermelho, néctar de abelha, castanha de baru, palmito-babaçu e pirarucu – peixe amazônico


Natureza (quase) morta

Aprecie algumas das centenas de plantas, animais e alimentos processados que podem virar peça de museu


MARMELADA DE SANTA LUZIA

PAÍS – Brasil

AMEAÇAS – Perda da tradição e desinteresse mercadológico

Surgiu em comunidades de descendentes de escravos na região de Luiziânia, Goiás. Desde o século 17, a receita é passada de geração a geração, e hoje está nas mãos de 30 famílias. O volume de produção é pouco, atendendo regiões vizinhas


ARATU

PAÍS – Brasil

AMEAÇAS – Coleta não sustentável e devastação ambiental

O caranguejo vermelho está cada vez mais raro nos mangues de Sergipe. Isso se deve à captura de aratus pequenos e fêmeas em fase reprodutiva. Toxinas liberadas pela ração dada a camarões criados na região também dizimam os aratus


PALMITO-JUÇARA

PAÍS – Brasil

AMEAÇA – Coleta não sustentável

A variedade de palmito mais ameaçada cresce em áreas de mata Atlântica no Sul e no Sudeste do país. Extraído de modo predatório há décadas, o alimento só não desapareceu por causa do plantio de palmeiras juçara em reservas indígenas

ASPARGO VIOLETA DE ALBENGA

PAÍS – Itália

AMEAÇAS – Produção complicada e desinteresse mercadológico

Esta variedade demora para ser colhida e requer técnicas de cultivo e colheita que a encarecem, diminuindo o interesse dos produtores. Em 1930, chegou a ser cultivado em mais de 300 hectares. Nos anos 2000, a área não passa de 10 hectares

HIDROMEL

PAÍS – Polônia

AMEAÇAS – Perda da tradição e produção complexa

A bebida caseira, feita com uma parte de água e duas de mel, se parece com um vinho licoroso. Apenas um produtor segue a antiga receita, aprendida com a mãe. O hidromel deve envelhecer por até sete anos antes de ser servido

MAÇÃ ESPERIEGA

PAÍS – Espanha

AMEAÇA Desinteresse mercadológico

A partir dos anos 70, o comércio local passou a lucrar mais com maçãs vindas dos EUA e as Esperiega foram sumindo. Graças a um grupo de jovens agricultores, a variedade está sendo reintroduzida no mercado

CACAU BARLAVENTO

PAÍS – Venezuela

AMEAÇAS – Devastação ambiental e desinteresse mercadológico

Além da concorrência dos cacaus da Indonésia e da Malásia, uma enchente destruiu um terço de sua área produtiva. De importância histórica para comunidades indígenas venezuelanas, o alimento ainda é produzido em pequena quantidade


CEBOLA SAPPOROKII

PAÍS – Japão

AMEAÇAS – Produção complexa e desinteresse mercadológico

O cultivo requer colocar sementes em uma estufa, transplantá-las na terra e colhê-las após sete meses. Além do longo e custoso processo, a variedade é vulnerável a doenças. Dos 70 mil hectares cultivados nos anos 70, restam 20 mil

MELÃO DE MONTREAL

PAÍS – Canadá

AMEAÇAS – Desinteresse mercadológico e produção complexa

Até meados dos anos 90 achava-se que a fruta estivesse extinta. Como o cultivo requer cuidados intensivos e transporte especial para frutas grandes e frágeis, o mercado passou a preferir espécies menos complicadas e mais baratas


CHEDDAR ARTESANAL SOMERSET

PAÍS – Inglaterra

AMEAÇA – Perda da tradição

Este cheddar esbranquiçado é feito com leite cru e uma bactéria típica de Somerset. A procura começou a cair nos anos 50, com o uso de leite pasteurizado na produção local de queijos. Só 5% dos produtores seguem a tradição no preparo


MERKEN

PAÍS – Chile

AMEAÇA – Desinteresse mercadológico

Esta pimenta vermelha defumada já foi muito popular entre os chilenos. As novas gerações não dão mais tanto valor ao produto por enxergá-lo como sinônimo de pobreza e de influências indianas no país

Consultoria – Neide Rigo, nutricionista e membro da comissão brasileira da Arca do Gosto; Cenia Salles, pesquisadora e consultora gastronômica, líder do Convivium São Paulo da Sloq Food Brasil