Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Como se compõe uma sinfonia?

Veja o passo a passo da Quinta Sinfonia de Beethoven.

Por Gabriela Portilho Atualizado em 17 dez 2020, 14h15 - Publicado em 1 jul 2009, 15h55

Não existe uma regra para compor uma sinfonia, que é a reunião dos sons de vários instrumentos tocados ao mesmo tempo. No entanto, as sinfonias clássicas dos séculos 18 e 19 costumavam seguir um modelo. É o caso da Quinta Sinfonia (aquela do “tchan-tchan-tchan-tchaaaan”), composta por Ludwig van Beethoven entre 1804 e 1808 e, até hoje, uma das mais executadas de todos os tempos.

Primeiro, o compositor desenvolve uma estrutura, ao piano ou teclado, e depois escreve as partituras (representações com as notas musicais) para cada instrumento, do violino à flauta. Hoje, tudo pode ser feito por programas de computador. “O problema é que eles tiram um pouco da espontaneidade da criação”, diz Silvio Ferraz, diretor da Escola de Música do Estado de São Paulo.

QUANTAS NOTAS, MAESTRO?

Toda sinfonia clássica é dividida em quatro partes – os chamados movimentos, o equivalente a capítulos de livros. Eles têm diferentes tempos e emoções, criando uma dinâmica musical que sustenta obras de mais de uma hora – a Quinta Sinfonia dura cerca de 30 minutos (a duração da sinfonia pode variar de acordo com a execução da orquestra).

1º movimento – 0:00 a 6:16

Segue uma forma fixa, a forma-sonata. A música neste movimento é rápida e enérgica. A sonata narra uma história por meio dos sons – na Quinta Sinfonia, dizem que é a narrativa do destino batendo à porta.

2º movimento – 6:17 a 11:03

Geralmente é uma canção, uma música mais lenta e intimista. No caso da Quinta de Beethoven, a melodia deste movimento é mais triste.

3º movimento – 11:04 a 15:49

Costuma ser uma dança, um tipo musical mais agitado. É a parte musical mais simples da sinfonia. Para alguns estudiosos, na Sinfonia nº 5, o terceiro movimento vem como a esperança diante da tristeza representada no movimento anterior.

4º movimento – 15:50 a 31:05

Também é uma dança, mas ainda mais rápida. Na Quinta Sinfonia, é a parte mais emotiva da composição e tem um tom triunfal. Em outras sinfonias, como a Nona de Beethoven, um coro canta neste trecho.

TOCA AQUI, BEETHOVEN!

Saiba tudo o que rola no primeiro movimento da Quinta Sinfonia

Destino à porta

Nesta primeira parte, a exposição, são apresentados os “personagens” da história, o motivo e os temas. Na Quinta Sinfonia, o motivo é o famoso “tchan-tchan-tchan-tchaaaan”, que seria o destino batendo à porta. Há dois temas, que contrastam entre si: o primeiro é heroico e grandioso, e o segundo, mais lírico e suave.

Hora do duelo

Neste trecho, em que todos os instrumentos participam, o desenvolvimento, Beethoven brinca com os temas, colocando-os para “duelar”. O primeiro tema surge fortíssimo, em um tom de vingança, enquanto o segundo tema, que vai do piano ao fortíssimo, tenta impedi-lo. Por fim, a grandiosidade do primeiro tema se sobrepõe.

Conciliação

Nesta parte, chamada recapitulação, os dois temas aparecem novamente, mas sem brigar – desta vez, vêm de forma harmônica, quase numa brincadeira. Aqui, Beethoven brinca com os temas que dão as caras em outras tonalidades – como se os personagens musicais vestissem máscaras e ganhassem outra faceta.

Continua após a publicidade

Batalha final

Na forma-sonata, a coda é o encerramento do primeiro movimento, o trecho da música em que o compositor diz algo de novo. Na Sinfonia nº 5, a coda é a batalha final entre os dois temas, tão grandiosa que requer todos os instrumentos da orquestra. Beethoven termina a sonata com a vitória do motivo: tchan-tchan- tchan-tchaaann…

INSTRUMENTOS

Quatro categorias de instrumentos se revezam durante a sinfonia

Sopro metais

Trompa – Tocada com a boca e com a mão, controlando a saída do ar e os timbres.

Corneta – Tocada através dos pistões. Tem som brando e penetrante.

Sopro madeira

Oboé – Tubo com formato ligeiramente cônico, com som mais nasalado.

Fagote – É o mais grave desta família, muito usado em peças líricas.

Flauta – Tubo cilíndrico que produz um som melodioso e doce.

Clarineta – Espécie de flauta, considerada o “violino” do gênero por causa do poder sonoro.

Cordas

Violino – Mais agudo dos instrumentos de corda.

Viola – Maior e menos aguda que o violino, mas menor que o violoncelo.

Violoncelo – Pelo tamanho, deve ser tocado apoiado no chão.

Contrabaixo – Mais grave dos instrumentos de corda.

Percussão

Tímpano – Espécie de tambor tocado com baquetas.

Intensidade

Piu fortíssimo: gritando
Fortíssimo: falando alto
Forte: mais alto que a voz
Piano: mais baixo que a voz normal
Pianíssimo: quase um sussurro

Pergunta da leitora Deborah de Macedo, São Paulo, SP

Continua após a publicidade

Publicidade