Logo ME

É verdade que existia censura em Hollywood?

Hollywood

Sim. Até meados do século XX, os filmes tinham que obedecer a uma série de proibições que ficaram conhecidas como Código Hays. No início dos anos 20, Hollywood era vista pelo resto dos Estados Unidos como a “cidade do pecado”. Essa imagem ficou ainda pior quando o mais popular comediante da época, Roscoe “Fatty” Arbuckle, foi acusado de estuprar e matar uma aspirante a atriz em 1921. Para melhorar sua imagem, os estúdios de cinema decidiram, então, que os filmes deveriam passar por uma autocensura prévia e escolheram o advogado Will Hays para comandar a nova missão. Em 1924 todas as produções já passavam por seu crivo – e, em 1930, as regras de censura foram oficializadas no chamado Código Hays. A aplicação dessa espécie de cartilha conservadora atingiu o auge a partir de 1934, quando o departamento responsável pelo controle moral dos filmes caiu nas mãos do ativista religioso Joseph Breen.

Apelidado de “o Hitler de Hollywood”, Breen travou uma dura batalha contra o diretor e produtor Howard Hughes após assistir a uma exibição preliminar do filme O Proscrito (The Outlaw), de 1941. Sobre o filme, Breen escreveu: “Em mais de dez anos de analista crítico de filmes, eu nunca vi nada tão inaceitável quanto as tomadas do busto da personagem Rio (Jane Russell)”. Breen mandou cortar 37 closes dos seios da atriz. Hughes, porém, recusou-se a modificar a obra e, desafiando o censor, lançou o filme em 1946 com uma publicidade provocadora: contratou aviões para escrever no céu o título do filme dentro de dois balões com um pequeno círculo no meio, numa clara referência aos atributos mamários de Jane Russell. Com contestações desse tipo, o Código Hays foi, aos poucos, perdendo sua força. Oficialmente, ele vigorou até 1966 – mas já havia caído em desuso muito antes. Dois anos depois, o sistema foi definitivamente substituído pela classificação por faixa etária.

– Algum astro já foi retirado da Calçada da Fama?

– Por que Hollywood se tornou a capital do cinema?

Lista negra Eram 16 as principais proibições do Código Hays

Sexo apresentado de maneira imprópria

Cenas românticas prolongadas e apaixonadas

Ridicularizar funcionários públicos

Retratar religiosos de maneira pejorativa ou cômica

Filmes com o tema da escravidão branca

Destacar o submundo

Ofender crenças religiosas

Referências a doenças venéreas

Tornar os vícios atraentes

Tornar o jogo e a bebida atraentes

Enfatizar a violência

Uso de drogas

Nudez

Exibir em detalhes métodos de ação criminosa

Retratar gestos e posturas vulgares

Miscigenação e alusão ao amor entre brancos e negros