Logo ME

Qual a diferença entre as escritas coreana, japonesa e chinesa?

ideogramas

As três têm uma origem comum: a milenar escrita chinesa. Criado há 4 mil anos, esse tipo pioneiro de escrita oriental não usa letras de um alfabeto, mas os chamados ideogramas, símbolos ou sinais que representam um conceito ou uma idéia – podem ser coisas concretas ou abstratas, como sentimentos. Escrever com eles é como encaixar as peças de um quebra-cabeças. Por exemplo, para escrever “amanhecer”, os chineses usam o ideograma que representa “sol” mais o ideograma que indica “árvore”. A escrita chinesa baseia-se até hoje nesse sistema. A japonesa, que recebeu muita influência da China, também nasce dessa raiz milenar, mas com algumas adaptações. Na moderna escrita japonesa, o kanji, os ideogramas chineses são ligados uns aos outros por conectivos, também criados a partir dos ideogramas chineses. Em um paralelo com a nossa língua, é como se os ideogramas fossem os substantivos (“salão” e “dança”, por exemplo) e os conectivos fossem as preposições (o “de” que liga “salão de dança”). Faltou falar do coreano. A Coréia absorveu os costumes chineses até 1443, quando o rei Sejong determinou a criação de um alfabeto que representasse o som da língua coreana. Isso porque, naquela época, os coreanos falavam uma língua, o coreano, e escreviam em outra, o chinês. Três anos depois, surgiu o hunminjeongeum (algo como “os sons corretos para a instrução do povo”), o único alfabeto de sons do Extremo Oriente. Nesse sentido, o coreano se parece mais com o português que com o japonês ou o chinês: ele é o resultado de uma montagem de sons e não de significados.

– Como funcionava a prensa de Gutenberg?