Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Joseph Vacher, o serial killer francês guilhotinado

O andarilho Joseph Vacher tocou o terror nos campos do sudeste da França, assassinou mais gente do que Jack, o Estripador, e morreu decapitado

Por Bruno Lazaretti Atualizado em 4 jul 2018, 20h14 - Publicado em 15 set 2016, 12h48

joseph-vacher

ILUSTRA George Schall

 

Continua após a publicidade

1) Nascido em Beaufort, França, 15º filho de uma família pobre de camponeses, desde criança, Vacher demonstrava comportamento explosivo e às vezes violento. Em um episódio de crueldade, Vacher guiou o rebanho da família até um pasto isolado e quebrou as patas de alguns animais.

 

Continua após a publicidade

2) Ao ser expulso de um mosteiro por razões obscuras, Vacher se alistou no exército. Foi lá que seu temperamento se juntou a episódios de bebedeiras e frenesi. Em um desses arroubos, ele atacou colegas e despedaçou tendas empunhando uma navalha, com a qual, enfim, tentou o suicídio, cortando a garganta, sem sucesso.

 

Continua após a publicidade

+ Retrato Falado: Jack, o Estripador, o pai de todos os serial killers

+ Retrato Falado em vídeo: Pedrinho Matador, um dos piores serial killers brasileiros

 

Continua após a publicidade

3) Em 1893, aos 23 anos, conheceu a enfermeira Louise Barant. Ele se apaixonou e propôs casamento no mesmo dia. Assustada pela “intensidade” do rapaz, Louise tentou se afastar, mas Vacher não reagiu bem. Em um encontro, ele sacou um revólver, disparou contra a moça, depois deu dois tiros na própria cabeça. Ambos sobreviveram!

 

Continua após a publicidade

4) As balas usadas por Vacher estavam com apenas metade da carga de pólvora. Como resultado, os projéteis deformaram o rosto dele e podem ter contribuído para o desenvolvimento de doenças mentais. O ex-soldado foi internado em um asilo precário e superlotado, onde se tornou mais paranoico e agressivo.

 

Continua após a publicidade

5) Após dez meses de transferências e tentativas de fugas e de suicídios,Vacher foi considerado curado e teve alta do asilo Saint-Robert, próximo de Grenoble. Desde então, passou a vagar como ermitão, um estilo de vida que, na época, era desprezado e associado a violência e degeneração.

 

Continua após a publicidade

6) Entre 1894 e 1897, assassinou cinco moços e cinco moças entre 11 e 21 anos, a maioria pastores de ovelha, além de uma viúva de 58 anos. O método era estrangular, cortar a garganta, mutilar e violar o corpo. Ele escolhia bem a hora de atacar e escondia o corpo com cuidado.

 

Continua após a publicidade

+ Retrato Falado: Os leões assassinos de Tsavo

+ Retrato Falado: João Acácio Pereira da Rocha, o Bandido da Luz Vermelha

 

Continua após a publicidade

7) A rota de terror só teve fim quando uma camponesa da região de Champis resistiu a um ataque e gritou por socorro. Marido e filhos a escutaram e subjugaram o algoz. Capturado, Vacher foi entrevistado pelo juiz Emile Fourquet, e alegou, entre outras loucuras, que o tratamento para uma mordida de cão na infância o havia enlouquecido.

 

Continua após a publicidade

8) O julgamento virou uma batalha entre o criminologista Alexandre Lacassagne (“pai” da perícia criminal) e o advogado de defesa Charbonnier. Este alegava insanidade, enquanto aquele garantia que Vacher era são. No fim, a brutalidade dos crimes e o repúdio da sociedade aos andarilhos pesaram contra Vacher.

 

Continua após a publicidade

QUE FIM LEVOU?

Joseph Vacher foi guilhotinado em 31 de dezembro de 1898 em Ain, França, pelo assassinato das 11 pessoas que confessou ter matado

 

Continua após a publicidade

FONTES Artigo Vacher, the Ripper of the Southwest, de Susan A. Ashley; e livro The Killer of Little Sheperds, de Douglas Starr

Continua após a publicidade
Publicidade