Logo ME

O que é o Santo Daime?

A doutrina espiritual surgiu na Amazônia e tem traços do cristianismo

santo-daime

ILUSTRA Marcos de Lima

No coração da Amazônia

O Santo Daime é uma doutrina espiritual fundada na década de 1920, em Basileia (AC), pelo seringueiro Raimundo Irineu Serra. Chamado pelos adeptos de Mestre Irineu, ele teve seu primeiro contato com a ayahuasca (principal componente do chá do Santo Daime) na Amazônia boliviana. A bebida lhe trouxe a visão de uma mulher que se apresentou como “a Rainha Universal”

Peregrinação e revelação

A Rainha o orientou a vagar pela mata por oito dias. No fim do período, revelou ser Virgem Maria e, segundo Irineu, o orientou a espalhar a palavra de Deus por meio da ayahuasca. O chá deveria se chamar Daime, por causa do verbo “dar”: os hinos usados nos cultos atuais podem incluir expressões como “Dai-me amor”, “Dai-me fé” e “Dai-me cura”

Uma grande família

Como a própria origem indica, o Santo Daime tem traços do cristianismo. A Sagrada Família está na base de suas crenças: Deus é a entidade suprema, Jesus é um modelo a ser seguido e Virgem Maria é idolatrada por ter levado a palavra até Irineu. Também há influência do espiritismo: acredita-se na vida em comunidade e na união para propagar os ensinamentos

As portas da percepção

O Santo Daime é focado no ritual do chá, que os seguidores acreditam ter o poder de ampliar a força da consciência. Sob seu efeito, a pessoa teria uma visão mais clara do Universo e respostas para suas angústias e dúvidas. Segundo os seguidores, Irineu também considerava o líquido uma forma de encontrar o amor verdadeiro. Durante o culto, o Daime é ingerido três vezes

Cada um faz sua parte

O preparo da bebida também é ritualístico. As mulheres são responsáveis por separar as folhas-rainha, também conhecidas como chacronas. Os homens se incumbem de cortar o cipó jagube. Juntos, os dois ingredientes são fervidos, criando um chá com forte capacidade alucinógena. As regras para seu uso religioso foram oficializadas em 2010 pelo governo brasileiro

Não é para todos

Os efeitos tóxicos da ayahuasca ainda não são completamente conhecidos. Por isso, a comunidade se organiza para evitar excessos. O chá é contraindicado para crianças e grávidas e vetado para portadores de doenças psíquicas, como esquizofrenia. Novatos no culto preenchem um termo de responsabilidade e uma ficha de anamnese sobre o estado de sua saúde mental

Como é o culto

Ministrados por um padrinho (um tipo de padre), os encontros acontecem nos dias 15 e 30 do mês. Na primeira parte, de concentração, os seguidores (sempre vestidos com tons claros, como branco e azul) formam um círculo, dividido por gênero. Depois, organizam-se filas para tomar o chá, também com a mesma separação – a dose das mulheres é metade da dos homens

Alto contato

Cada pessoa toma cerca de três doses, mas há liberdade para ser mais ou menos. Começa a segunda fase, de meditação, em que os seguidores “acessam a consciência” sob efeito da ayahuasca. Ao longo de todo o culto (que pode durar várias horas), são cantados os hinos, que relembram as lições da doutrina e a vida de Irineu e de padrinhos importantes, como o Padrinho Sebastião

A doutrina se espalha

Os primeiros cultos abertos ao público só começaram em 1930 em Vila Ivonete, próximo a Rio Branco (AC). Depois, foram se espalhando pelo país. Atualmente, há cerca de 50 centros filiados. O principal é A Igreja do Culto Eclético da Fluente Luz Universal e um dos mais famosos é a comunidade do Alto Santo, na zona rural da cidade de Rio Branco

FONTES Sites Jornal do Brasil, Santo Daime – A Doutrina da Floresta, Doutrina do Santo Daime, Mestre Irineu, A Família Juramidam, Associação Brasileira da História das Religiões, Faculdade de Ciências Farmacêuticas (Unesp) e Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional; livros Ayahuasca Shamanism in the Amazon and Beyond, de Beatriz Caiuby Labate e Clancy Cavnar, e Santo Daime Revelado: Drogas, Fraudes e Mentiras, de Gideon dos Lakota; e pesquisas Santo Daime: Teoecologia e Adaptação aos Tempos Modernos, de Maria Clara Rebel Araújo e Ricardo Vieiralves Castro, Ayahuasca: Neuroquímica e Farmacologia, de Rafael Guimarães dos Santos, e Os Conteúdos das Visões de Ayahuasca, de Benny Shanon