Logo ME

Por que a Linha do Equador tem o nome de um país?

Ela é muito mais antiga que o país

PERGUNTA DO LEITOR Kaique Rossoni, Colatina, ES
EDIÇÃO Felipe van Deursen

Porque ela é muito mais antiga que o país de mesmo nome. O conceito de uma linha que dividia a Terra em duas metades surgiu na Antiguidade, como uma linha que cortava o céu e o separava em dia e noite (Circulus aequator diei et noctis ou “círculo que iguala o dia e a noite”, em latim).

No século 3 a.C., o matemático grego Eratóstenes mediu a circunferência da Terra e dividiu o mundo em um sistema de retas paralelas. Mas a “Linha do Equador” da época passava pela ilha de Rodes, já que o mundo conhecido de então era bem pequeno.

Por volta de 25 d.C., o geógrafo romano Pomponius Mela propôs dividir a Terra em uma região quente, central, e duas frias, nos polos. Nas Grandes Navegações, em 1526, os europeus chegaram ao país que hoje conhecemos como Equador, quando a região integrava o Império Inca. O atual conceito da linha surgiu em 1590, com a projeção de Mercator, que dividiu o mundo em dois hemisférios com uma linha que passava pela então colônia espanhola, que acabou se chamando Equador.

LINHA DO MUNDO TODO
Ela passa por vários países, que a homenageiam em marcos e monumentos

(FreeVectorMaps.com/Dan/Joao Maximo/Netaholic13/Jorge Andrade/Laika ac/Reprodução)

  • 8.535 km de terra, divididos entre:

1 – Colômbia
2 – Brasil (AM, RR, PA e AP)
4 – São Tomé e Príncipe
5 – Gabão
6 – Congo
7 – República Democrática do Congo
8 – Uganda
10 – Quênia
11 – Somália
13 – Maldivas
15 – Indonésia
20 – Kiribati

  • 31.539 km de água, divididos entre:

3 – Oceano Atlântico
9 – Lago Vitória
12 – Oceano Índico
14 – Estreitos de Karimata e de Macáçar
16 – Golfo de Tomini
17 – Mar das Molucas
18 – Mar de Halmahera
19 – Oceano Pacífico

 

Consultoria Ramachrisna Teixeira, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP
Fontes livros Geodetic Reference System 1980, de Helmut Moritz, Illustrating the Phaenomena, de Elly Dekker, e The History and Practice of Ancient Astronomy, de James Evans

Newsletter Conteúdo exclusivo para você
E-mail inválido warning
doneCadastro realizado com sucesso!
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s