Clique e assine a partir de 8,90/mês

As outras cartas do serial killer Zodíaco

Por Redação Mundo Estranho - Atualizado em 4 jul 2018, 20h13 - Publicado em 18 Maio 2011, 15h07

A matéria de capa da edição deste mês da MUNDO ESTRANHO reserva um espaço para falar do Zodíaco, serial killer que aterrorizou a Califórnia nos anos 60 e 70 com suas cartas criptografadas. Apenas a primeira, enviada em três pedaços para diferentes jornais da região, foi resolvida.

Conheça agora algumas de suas outras mensagens com códigos que até hoje permanecem sem solução. Em uma delas ele até promete revelar seu verdadeiro nome!

Carta 1

340-zodiac-px

Enviada com um cartão postal ao jornal San Francisco Chronicle em 8 de novembro de 1969, esta cifra parece bastante com a da primeira mensagem do maníaco, que chegou a ser decifrada. Mas a chave usada para resolver aquela carta não funciona com esta aqui, cujo conteúdo segue um mistério.

Continua após a publicidade

Carta 2

44199483675232606-400px

Enviada também ao San Francisco Chronicle, em 9 de novembro de 1969, a carta descrevia um plano para explodir uma bomba numa escola da região. O atentado nunca foi concretizado. A carta contém um único trecho em código, que supostamente revelaria o nome do assassino.

A tradução: “Aqui quem fala é o Zodíaco. A propósito, vocês já resolveram a última cifra que enviei? Meu nome é… [CÓDIGO]. Estou levemente curioso com quanto dinheiro vocês estão pagando de recompensa pela minha cabeça. Espero que vocês não pensem que eu era aquele que apagou um policial com uma bomba na delegacia. Embora eu tenha falado de matar crianças com uma. Não seria certo invadir o território de outra pessoa. Mas há mais glória em matar um policial do que em matar uma criança, porque um policial pode atirar de volta. Já matei dez pessoas até hoje. Teria sido muito mais, mas minha bomba falhou. Eu fiquei alagado pela chuva que tivemos algum tempo atrás.”

Carta 3

Continua após a publicidade
phillipsletter-400x

Esta foi a última cifra enviada pelo Zodíaco. Chegou ao endereço do Chronicle em 26 de junho de 1970. O símbolo central, acompanhado do número “12” , era uma constante comum nas mensagens. Indicava o “placar” do assassino: ele já havia matado 12 pessoas, e a polícia de San Francisco (SPFD) permanecia no “zero” porque ainda não havia o prendido.

A tradução: “Aqui quem fala é o Zodíaco. Eu fiquei bastante irritado com o povo da Bay Area de San Francisco. Eles não acataram meus desejos de que usassem um bottom com meu símbolo. Prometi puni-los se não acatassem, aniquilando um ônibus escolar. Mas agora as escolas estão de férias pelo verão, então eu os puni de outra maneira. Atirei em um homem sentado em um carro estacionado com um .38. O mapa que acompanha este código diz onde a bomba está. Vocês têm até o outono para desenterrá-la.”

Publicidade