Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Como foi a conversão do Império Romano ao cristianismo?

Muito sangue escorreu até que Roma adotasse o cristianismo

Por Redação Mundo Estranho Atualizado em 4 jul 2018, 20h28 - Publicado em 18 abr 2011, 18h56

O cristianismo se tornou a religião oficial do Império Romano no ano 380 por ordem do imperador Teodósio I, que tomou a medida numa lei conhecida como Édito de Tessalônica. Antes disso, os cristãos foram, durante muito tempo, impopulares em Roma por não adorarem o imperador e sim outro tipo de rei – Jesus -, o que era encarado como um ato subversivo. Mesmo gerando antipatias – e até perseguições, como no reinado de Nero entre os anos 54 e 68 – eles foram tolerados nos primeiros séculos de vida de sua religião. Com a decadência do império no final do século II e a ameaça de invasões bárbaras, iniciou-se outro período de dura perseguição aos cristãos, que se recusavam a servir no exército romano. Mas nem isso impedia o cristianismo de ganhar seguidores, tornando-se logo a crença mais popular no império. Percebendo a força crescente da religião, o imperador Constantino I resolveu usá-la politicamente para fortalecer seu próprio poder e enfrentar a decadência romana.

Sob a inspiração do lema “um Deus no Céu, um Imperador na Terra”, Constantino proclamou em 313 o Édito de Milão, lei que garantia liberdade para cultuar qualquer deus, o que seria fundamental para a futura conversão total do império à religião. “Na prática, o Édito de Milão representou a verdadeira guinada. Teodósio apenas sacramentou um processo de algumas décadas, consolidando a tendência inaugurada por Constantino”, diz o teólogo Pedro Vasconcellos, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

LEIA TAMBÉM:
+ Como surgiu o Império Romano? 
+ Quem foi o último imperador romano? 
+ Quais foram as maiores loucuras dos imperadores romanos? 
+ Como era um banquete romano?

Publicidade