Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Como funciona um colete à prova de bala?

Ele segue o mesmo princípio de uma armadura medieval. Mas é mais leve, flexível e resistente.

Por Tarso Araújo Atualizado em 6 set 2018, 17h39 - Publicado em 18 abr 2011, 18h35

O princípio é o mesmo dos coletes de aço que defendiam o peito dos guerreiros antigos contra flechas e espadas: proteger o tórax com um material resistente o suficiente para deformar a arma do agressor antes que ela o atravesse. A diferença é que balas de revólveres, pistolas e fuzis são bem mais poderosas que as lâminas de antigamente. A solução foi desenvolver novos materiais que combinassem resistência e leveza – como o kevlar, criado na década de 1960 – para que o colete não ficasse muito pesado.

Cada novo modelo passa por vários testes para classificá-lo segundo um padrão internacional, de acordo com níveis que representam proteção contra cada tipo de armamento. O curioso é que os coletes de polícia são mais resistentes que os militares – porque o que mais mata em guerras são fragmentos de bombas, menos penetrantes que tiros. O militar, por outro lado, cobre uma parte maior do tronco e o pescoço. Seja qual for o tipo, um colete só pode deformar 4,4 cm depois de alvejado para ser considerado seguro.

Corpo fechado
Balas param em material mais resistente que o aço

Camada externa

Do lado mais externo do colete, uma capa de náilon “empacota” as camadas à prova de bala e impede a entrada de suor. A capa externa de tecido segura o material à prova de bala e veste o tórax da pessoa. As tiras de velcro permitem que o mesmo colete vista pessoas de tamanhos diferentes

Continua após a publicidade

O núcleo de Kevlar

O miolo do colete é o que confere segurança a quem o veste: ele é feito de Kevlar, tecido sintético de uma fibra leve e super-resistente chamada “aramida”. Como o Kevlar é um tecido, suas fibras podem ser costuradas e são cinco vezes mais resistentes que o aço

Colete reprovado

Uma bala sai do revólver a pelo menos 1 000 km/h. Essa velocidade se transforma numa força de impacto que permite à bala penetrar em nosso corpo. Se não for parada por um colete resistente, ela fura a camada de proteção e atinge a vítima.

Colete aprovado

Quando a bala encontra um colete resistente, sua força de impacto se dilui numa área grande. O colete se deforma (enverga até 4,4 cm para trás), retendo a bala. A pessoa, salva, sente o impacto como um soco.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês