Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Como são os bastidores da cerimônia de entrega do Oscar?

Apresentações de músicos, muitos concorrentes e shows variados ajudam a segurar a audiência - mas alongam a festa.

Por Marcel Nadale Atualizado em 6 fev 2020, 14h42 - Publicado em 29 mar 2016, 13h31

ILUSTRAS Maurício Planel

Objetivos cruzados

O Oscar é o segundo evento mais visto na TV dos EUA. Só perde para a final do campeonato de futebol americano. Canais pagam caro pelo direito de exibição -e, em troca, exigem um show que prenda a audiência, para justificar o preço dos anúncios. Isso provoca uma deturpação bizarra: os organizadores da festa precisam se preocupar mais em fazer “um bom programa de TV” do que em homenagear o cinema.

Maldito fuso!

Um exemplo: há anos, membros do showbusiness pedem a inclusão de novas categorias, como a de melhor dublê. A Academia não aceita porque isso deixaria a cerimônia ainda mais longa. Por causa do fuso horário, a transmissão costuma terminar depois da meia-noite em cidades no leste dos EUA, como Nova York e Boston. Muita gente não aguenta até o final e o ibope cai. Por isso, também há lobby para eliminar categorias, como as de curtas.

Sem blá-blá-blá

Para manter a duração sob controle, o Oscar comete até a maior das indelicadezas: usar a orquestra para interromper discursos “muito longos” (acima de 30 segundos). Em 2002, o produtor da festa chegou a prometer aos indicados que quem falasse menos ganharia uma TV HD (um luxo na época)! O premiado foi o holandês Michael Dudok de Wit, vencedor de melhor curta (rá!) animado.

Até os mortos disputam atenção

A duração restrita também afeta o clipe “In Memorian”,que tem cerca de dois minutos para relembrar as dezenas de astros falecidos no ano anterior. Um comitê secreto determina quem merece a homenagem, mas isso não impede que empresários e experts em relações públicas façam pressão para garantir que seu (ex?) cliente seja incluído. A guerra é tão intensa que o ex-presidente da Ampas (Academia de Ciências Cinematográficas de Hollywood) Tom Shreak chegou a afirmar que preparar o “In Memorian” é “a coisa mais difícil do Oscar”.

Continua após a publicidade

oscar9

Sonora vingança

Os produtores da transmissão adoram quando astros populares como Lady Gaga e Sam Smith são indicados em melhor canção: seus fãs vão ligar a TV para ver sua performance. Quando falta star power, sobra grosseria. Em 2005, a Academia não teve pudores em substituir o uruguaio Jorge Drexler pelo ator Antonio Banderas na apresentação da canção “Al Otro Lado Del Rio”, de Diários de Motocicleta. O diretor do filme, Walter Salles, reclamou que a troca foi “um desrespeito”, mas Drexler riu por último: ganhou o prêmio e ainda cantarolou um trecho no discurso.

Um Oscar para o povão

Para alguns especialistas, dobrar o total de concorrentes a melhor filme também foi uma tática para bombar a audiência. Historicamente, mais gente assiste ao evento quando blockbusters estão na disputa. Com dez vagas, eles têm mais chances. Coincidência ou não, a mudança rolou logo após o ano em que Wall-E e O Cavaleiro das Trevas, sucessos de público e crítica, ficaram de fora.

Uma coisa meio esquizofrênica

A necessidade de atrair o grande público também explica por que, às vezes, a cerimônia fica com cara de show de variedades. A premiação já teve mágicos, jogos de sombra, acrobacias do Cirque Du Soleil, patinação no gelo e até uma grotesca paródia de uma música da banda Creedence Clearwater Revival cantada por uma atriz vestida de Branca de Neve. E sem a aprovação da Disney!

FONTES The Independent, Entertainment Weekly, Variety, The Hollywood Reporter, Time, Oscars.org

PODRES DO OSCAR
PARTE 1: 
Como surgiu a Academia de Cinema que entrega o Oscar?
PARTE 2: Como é a votação do Oscar?
PARTE 3: Quem define se um ator disputa o Oscar de protagonista ou coadjuvante?
PARTE 4: Como são as campanhas para ser indicado ou vencer o Oscar?
PARTE 5: Como são os bastidores da cerimônia de entrega do Oscar?

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês