Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O que foi o Projeto Guerra nas Estrelas?

Foi um programa militar lançado pelo ex-presidente norte-americano Ronald Reagan, em 1983, que previa satélites antimísseis equipados com lasers

Por Pedro Galvão Atualizado em 14 fev 2020, 17h44 - Publicado em 2 set 2015, 14h47

Foi um programa militar lançado pelo ex-presidente norte-americano Ronald Reagan, em 1983. Oficialmente chamado de SDI (sigla em inglês para Iniciativa de Defesa Estratégica), ele pretendia criar um sistema de satélites equipados com canhões a laser para destruir mísseis enviados contra o país. Em plena Guerra Fria, tanto os EUA quanto a União Soviética possuíam armas capazes de liquidar o rival, mas não se arriscavam, porque temiam a aniquilação mútua. Com a SDI, a balança penderia a favor dos ianques. A ideia tinha tanto jeitão de ficção científica que ganhou esse “apelido cinematográfico” – e, de fato, nunca saiu do papel.

 

 

May the laser be with you

Ideia nunca se concretizou, mas contribuiu para o fim da Guerra Fria

1. A SDI previa a integração entre satélites em órbita, espelhos gigantes, bases terrestres e outros equipamentos. Radares espaciais identificariam um míssil inimigo no momento de seu lançamento, e caberia a raios laser ou mísseis terrestres destruir o artefato. A mirabolante estratégia levaria 20 anos para ser concluída e tinha o custo estimado em US$ 200 bilhões

2.O presidente Ronald Reagan não estava completamente louco ao defender a iniciativa. Na mesma época, em um teste na base secreta das Ilhas Marshall, no Pacífico Norte, cientistas norte-americanos haviam conseguido, pela primeira vez, usar um míssil teleguiado para destruir um projétil nuclear em pleno voo

Continua após a publicidade

3. Mas as dificuldades técnicas da SDI iam muito além de interceptar o míssil em movimento. Cientistas questionavam a eficácia do laser na densidade do ar nesse nível da atmosfera. Também havia dúvidas sobre as tecnologias que os controlariam. E o sistema não tornaria os EUA 100% protegido, já que não propunha defesa para ataques submarinos ou com aviões

4. Na época, os EUA viviam uma “paz armada” com a URSS.O equilíbrio bélico impedia que os rivais se atacassem com seus arsenais nucleares. A SDI faria a balança pender a favor dos norte-americanos, então a novidade deixou os russos em alerta máximo. Quatro anos depois, eles responderam com o lançamento da nave Polyus, também equipada com um canhão laser

5. Mesmo sem ter sido concluída, a SDI contribuiu para dar um ponto final à Guerra Fria. A Polyus foi um ralo de dinheiro que ajudou a combalir ainda mais a economia da URSS. E ela acabou no fundo do Pacífico – ninguém sabe se sofreu uma falha mecânica ou foi derrubada pelo próprio governo, já queo então presidente Mikhail Gorbachev desejava o fim das tensões com os EUA

6.O projeto Guerra nas Estrelas foi arquivado em 1993, mas nunca esquecido completamente. Bill Clinton propôs uma nova versão, a Organização de Defesa de Mísseis Balísticos, mas que também não viu a luz do dia. George W. Bush a reviveu em 2001, com o nome de Agência de Defesa de Mísseis. Severamente criticada, ela foi enterrada de vez por Barack Obama

CURIOSIDADE

A SDI inspirou um game homônimo da Sega, em 1987.O jogador tinha de usar armas a laser para destruir mísseis e satélites inimigos

FONTES

Sites GUIA DO ESTUDANTE, Folha de S.Paulo, Le Monde Diplomatique e Espaço Acadêmico

Continua após a publicidade

Publicidade
História, Mundo Estranho, Tecnologia
O que foi o Projeto Guerra nas Estrelas?
Foi um programa militar lançado pelo ex-presidente norte-americano Ronald Reagan, em 1983, que previa satélites antimísseis equipados com lasers

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade