Logo ME

O que é a síndrome de Munchausen?

Pessoas com essa síndrome fingem estar doentes para serem internadas ou até operadas

ILUSTRA Pablo Carranza

Mentira pra médico ouvir

Pessoas com essa síndrome fingem estar doentes para serem internadas ou até operadas. Mesmo sem sentirem nada, insistem que têm uma dor aqui, outra ali… Na verdade, há um problema, só que ele não é físico. Elas mentem para receber atenção e compaixão

Carente profissional

Não há consenso sobre a causa, mas a síndrome costuma estar associada a abusos na infância, problemas de autoestima e distúrbios de personalidade. Quem sofre desse mal pode ter problemas físicos reais, causados por procedimentos clínicos desnecessários, e até morrer

Coisa de macho

O transtorno é mais comum entre homens, mas também acomete mulheres. Uma variante comum é a síndrome de Munchausen por procuração, na qual mães, geralmente jovens, fingem que o filho está doente. Como a vítima é a criança, o caso pode ser tratado pela Justiça como abuso infantil

Atores aplicados

Vítimas da síndrome costumam pesquisar sobre as doenças e mudar sempre de hospital. Como o médico precisa de um histórico minucioso para confirmar o problema, o diagnóstico é complicado. Dependendo do país, o “mentiroso” pode receber tratamento ou ser processado legalmente. O inglês William McIlroy fez 400 operações em 100 hospitais diferentes. Morto em 1983, aos 74 anos, entrou para o Guinness como o caso mais extremo da síndrome

Militar e pescador

A síndrome foi descrita pela primeira vez em 1951, pelo médico inglês Richard Asher. Ele “homenageou” o barão alemão Carl Friedrich von Münchhausen (com um H a mais), famoso por exagerar seus feitos no Exército russo no século 18. Recontadas por outras pessoas, suas peripécias foram aumentando e viraram livro em 1785

LEIA MAIS

Como funcionam os detectores de mentira?

Quais sinais indicam que alguém está mentindo?

Retrato Falado: Thomas Quick, o serial killer mentiroso

28 mentiras que o cinema conta (e a ciência desmente), parte 1

CONSULTORIA Apoliana Fortes Mendes, psicóloga

FONTES Revista Brasileira de Psiquiatria, Revista da Associação Médica Brasileira, e livro Não Minta pra Mim! Psicologia da Mentira e Linguagem Corporal, de Paulo Sérgio de Camargo