Logo ME

O que é distúrbio de déficit de atenção?

É uma condição em que há falta de atenção, hiperatividade e/ou impulsividade.

ilustraAndré Toma

ediçãoFelipe van Deursen

O transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH), mais conhecido como distúrbio de déficit de atenção (DDA), é uma condição em que há falta de atenção, hiperatividade e/ou impulsividade. Esses sinais devem se manifestar de forma persistente e, além disso, precisam prejudicar o convívio em sociedade ou o desenvolvimento da pessoa. Motivo de bastante controvérsia acadêmica e frequentemente confundido com aquele comportamento agitado e típico de algumas crianças, o DDA, na verdade, tem características bem específicas – muitas delas em comum com os sintomas de outros distúrbios (veja no gráfico na próxima página). Para complicar um pouquinho mais, existem três subtipos de DDA: com predominância de inatenção, com predominância de hiperatividade ou de impulsividade e com predominância de ambos.

SÉRIE DISTÚRBIOS PSICOLÓGICOS

1 – O que é TOC?

2 – O que é esquizofrenia?

3 – O que é distúrbio bipolar?

4 – O que é distúrbio de déficit de atenção?

5 – O que é psicopatia?

Pra lá e pra cá

Sintomas específicos caracterizam cada tipo de distúrbio.

Presta atenção!

No DDA com predomínio de inatenção, é preciso haver pelo menos seis dos nove sintomas abaixo, durante seis meses ou mais, com impacto negativo na vida ou no desenvolvimento da pessoa. Ou seja, não é qualquer viajadinha que qualifica o distúrbio. Se ele tiver menos de 17 anos, bastam cinco sintomas

– Falta de atenção a detalhes

– Dificuldade em manter o foco

– Aparente desatenção ou ausência

– Falha em seguir instruções ou concluir tarefas

– Dificuldade de organização

– Relutância com tarefas que exigem esforço mental contínuo

– Facilidade em perder itens necessários no dia a dia

– Tendência a se distrair com estímulos alheios

– Facilidade em esquecer compromissos

Para quieto!

No DDA com predomínio de hiperatividade, o raciocínio é o mesmo: pelo menos seis destes sintomas por um semestre no mínimo e um impacto negativo na vida ou no desenvolvimento da pessoa. Logo, não é qualquer moleque com formiga na cueca que tem DDA. E, de novo, se ele tiver menos de 17 anos, cinco sintomas são o suficiente

– Mãos e pés agitados

– Dificuldade em ficar sentado

– Correr ou escalar objetos em momentos inapropriados (em adultos, agitação basta)

– Dificuldade em fazer atividades em silêncio

– Falar muito

– Dificuldade em falar calmamente

– Interromper frases dos outros

– Tendência a se intrometer em atividades alheias

– Dificuldade em esperar a vez

ATENÇÃO:Sintomas precisam ocorrer em mais de um ambiente, como na escola, no trabalho e em casa

LEIA TAMBÉM: O que causa a depressão?

O que causa DDA?

Gravidez influi mais que ambiente familiar

Alguns genes específicos já foram relacionados à condição, mas nenhum tem o poder de causá-la sozinho. Recém-nascidos com peso abaixo de 1,5 kg têm duas a três vezes mais risco de desenvolver DDA, e há indícios de que fumar ou beber durante a gravidez também pode aumentar essas chances. Por outro lado, o funcionamento do ambiente familiar não é considerado um fator para o desenvolvimento da condição

UMA ÚLTIMA CURIOSIDADE: De cada três pessoas com DDA, dois são homens

Consultoria Leda Arruda Chaves, psicóloga Fonte Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, quinta edição (DSM-5)