Logo ME

Que partes do corpo já foram consideradas remédio pela medicina?

Do antigo Egito até o século 19, muitas doenças eram tratadas com a ingestão de pedaços ou fluidos humanos. Eca!

medicina maluca

ILUSTRARubens Gomes

Craca na caveira

No século 10, médicos escoceses pulverizavam o musgo que crescia no crânio de corpos decompostos. Fumar o pó supostamente aliviava enxaquecas. Na Idade Média, seu poder “aumentou”: ele já tratava também epilepsia. Na Europa de 1700, recomendava-se que o crânio fosse de alguém que teve uma morte violenta e nunca havia sido sepultado. E, na Inglaterra, Carlos II popularizou uma bebida “revigorante” com essência de crânio humano

Miolo ao vinho

Triture um cérebro fresquinho, misture com vinho e deixe descansar por seis meses. Pronto! Eis um dos remédios, no século 17, para “males da cabeça” – recomendado até por cientistas renomados, como o médico John French e o químico Johann Schroeder. No Egito, o Ebers Papyrus (o tratado médico mais antigo que existe) sugere o uso de cérebro para restaurar lesões oculares

A banha que faz bem

Seu nutricionista acha cerveja uma bebida calórica demais? Imagine misturada com… gordura extraída de gente morta! Era o que alguns doutores alemães na Idade Média receitavam para câimbras, dores musculares, reumatismo e até feridas expostas. Na Holanda, há registros de que esse hábito nojento seguiu firme até o século 19

Made in Coliseu

Em Roma, era comum alguém se aventurar nas arenas para recolher o sangue ainda quente de um gladiador assassinado – um “santo remédio” para a epilepsia. No século 15, na Europa, diziam que beber o sangue de um jovem restaurava a saúde. A menstruação de uma virgem poderia acabar com cálculos renais

Gotinhas de energia

Especialistas do século 18 acreditavam que o suor de alguém que agonizou até a morte continha a última energia do falecido. Ou seja, era uma excelente matéria-prima para todo tipo de medicamento. Os mais comuns eram unguentos (um tipo de loção gordurosa), aplicados em hemorroidas, e misturas com ervas, para combater a tuberculose

Pum engarrafado

Quando a peste negra começou a matar geral na Europa entre 1347 e 1351, acreditava-se que ela era transmitida por vapores fedorentos. Infelizmente, também havia uma filosofia em voga na época de que “o semelhante cura o semelhante”. Portanto, o melhor jeito de se imunizar diante da epidemia era… armazenar o próprio peido em frascos e inalá-lo todos os dias

Panaceia geral

Por mais nojento que pareça, a urina já foi considerada um líquido saudável por diferentes civilizações ao longo dos séculos. Em 50 a.C., os celtas da Península Ibérica a usavam em gargarejo para branquear os dentes. Na era medieval, ela passou a ser usada como antisséptico para ferimentos. No século 17, médicos prescreviam banhos para pessoas com reumatismo e gota

Mete a cara na privada

Taí uma ideia radical para curar alcoolismo: ingerir vinho com fezes humanas! A ideia foi dos europeus na Idade Média. Eles também indicavam excrementos para tratar cravos e espinhas (socorro!). Documentos egípcios, datados de 1500 a.C., sugeriam o cocô fresco para feridas e inflamações, ou seco, misturado com mel, para amigdalites e tumores

Se alimenta o bebê…

Cordão umbilical e placenta eram raros no Egito e na China antiga por conter supostas propriedades mágicas. Podiam resolver cólicas, manchas na pele, epilepsia e até melancolia. Segundo as crenças orientais, comer a placenta também ajudava a manter o corpo saudável. A prática, chamada de placentofagia, virou moda na medicina alternativa dos dias de hoje

 

Você é sua própria cura

Outras “autorremédios” sugeridos pela medicina do passado

Cabelos e pelos Acreditava-se que, misturados a ervas, podiam interromper hemorragias internas

Unhas Pedaços misturados ao vinho induziam ao vômito – o que seria ótimo para desintoxicar o corpo

Saliva Se fosse de alguém em jejum, médicos achavam que podia curar mordida de cobra venenosa ou de cão raivoso

Leite materno Para problemas estomacais. Misturado com incenso, virava colírio

Cera de ouvido Aplicada em picadas de escorpião ou ingerida para tratar cólica

ESSA MATÉRIA FAZ PARTE DA REPORTAGEM TEM CERTEZA, DOUTOR?,SOBRE A HISTÓRIA DA MEDICINA. CONFIRA AS OUTRAS PARTES

11 tratamentos bizarros já propostos pela medicina no passado

Que alimentos do nosso dia-a-dia surgiram como remédio?

Que drogas já foram consideradas remédio pela medicina?

 

FONTES A História da Medicina: Das Primeiras Curas aos Milagres da Medicina Moderna, de Anne Rooney, A Assustadora História da Medicina, de Richard Gordon, Snake Oil Science: The Truth about Complementary and Alternative Medicine, de R. Barker Bausell, New Guide to Medicine and Drugs, da British Medical Association, Strange Medicine: A Shocking History of Real Medical Practices Through the Ages, de Nathan Belofsky, e Why You Should Store Your Farts in a Jar, de David Haviland