Logo ME

Como funciona o AK-47?

Conheça a arma mais importante do século 20

Ak47

Edição Tiago Jokura e Felipe van Deursen

De um jeito simples e engenhoso, desenvolvido durante anos pelo russo Mikhail Kalashnikov na década de 40. Muito barato e resistente a frio, calor, água e areia, o fuzil se tornou a arma mais difundida do mundo, com 80 a 100 milhões de unidades espalhadas em conflitos em todos os continentes. Acabou virando um ícone sinistro do século 20. Samuel L. Jackson o idolatra em Jackie Brown, de Quentin Tarantino. O ex-ditador do Iraque Saddam Hussein estava com dois deles quando foi preso, em 2003. Anos antes, ordenou a construção de uma mesquita com quatro minaretes em forma de Tabuk, a versão iraquiana do AK. Fotos e vídeos de Osama bin Laden o mostravam empunhando o fuzil, reconhecível pelo formato do pente.

Direto e reto

O Avtomat Kalashnikova foi lançado em 1947 – daí o nome AK-47

1. São três modos de disparo: travado, semiautomático (um tiro por vez) e automático (600 tiros por minuto). É só usar esta alavanca acima do gatilho

2. Quando a arma é carregada, o ferrolho rotativo avança, empurrando o cartucho ao mesmo tempo que gira em seu próprio eixo. Isso facilita o movimento de entrada do cartucho, que se posiciona na culatra

3. Ao apertar o gatilho, o cão da arma bate no percursor, que estoura o explosivo do cartucho. Os gases gerados expulsam a bala pelo cano a mais de 2,5 mil km/s

4. Enquanto a bala percorre o cano, os gases da explosão da pólvora não têm por onde escapar (já que o cartucho tapa uma ponta e o projétil a outra). Quando a bala está prestes a sair, uma abertura direciona parte dos gases a um tubo paralelo

5. Os gases pressionam um êmbolo, que empurra uma haste e desloca o suporte do ferrolho para trás. O ferrolho recua, arma o cão para o próximo disparo e abre a culatra, que cospe o cartucho usado. Isso libera espaço para um novo cartucho entrar na câmara, graças à mola do carregador, que empurra a munição para cima

6. O movimento do ferrolho é freado por uma mola que o devolve à posição inicial e empurra o novo cartucho para a culatra

Peso – 4,3 kg (carregada)

Tamanho – 87 cm de comprimento

Velocidade da bala – 700 m/s aproximadamente

Alcance – 300 m (efetivo)

Pente – 30 cartuchos

Cartucho – calibre 7,62 x 39 mm

O segredo do sucesso

Quatro inovações que consagraram o fuzil

Mais espaço

Armas desse tipo tendem a emperrar quando há neve, lama ou água envolvida. O AK-47 sofre menos com o problema, porque tem mais espaço entre as peças. Além disso, a sujeira não se acumula. É expelida no processo de disparo

Giro parafuso

O ferrolho comum empurra o cartucho à culatra. O AK usa ferrolho rotativo, que, além do movimento normal, gira em seu eixo. Isso ajuda a entrada do cartucho e diminui as chances de emperrar

Munição mais leve

Enquanto os fuzis de sua época usavam munições pesadas, o AK apostou em uma intermediária, com coice mais tranquilo. Isso democratizou seu uso, já que os menos experientes aguentavam o tranco sem perder a precisão

Formato de banana

O famoso pente curvo tem uma razão de ser. As balas são mais finas na ponta, então, ao colocar os cartuchos uns sobre os outros, eles se agrupam naturalmente na forma icônica de banana

LEIA TAMBÉM:

+ Quais são os treinamentos de tropa de elite mais difíceis do mundo?

+ Como eram os túneis que derrotaram os EUA no Vietnã?

+ Qual é a origem das armas de fogo?

+ Existem armas proibidas em guerra?

A arma que democratizou a guerra

Da Venezuela ao Vietnã, do Afeganistão ao Zimbábue, o AK-47 influenciou todos os conflitos pós-2ª Guerra

1947

LANÇAMENTO

O russo Mikhail Kalashnikov, veterano da 2ª Guerra, consegue a aprovação da fabricação em larga escala de seu fuzil, que levou anos de trabalho de desenvolvimento. Inspirado no pioneiro MP40, o AK-47 passa por cerca de 100 modificações até 1949

1956-1964

ÍCONE SOCIALISTA

No contexto da Guerra Fria, a União Soviética autoriza que outros países socialistas fabriquem o fuzil. Assim, Bulgária, Alemanha Oriental, Hungria, China e Polônia passam a produzir o AK

1955-1975

GUERRA DO VIETNÃ

Com a entrada dos Estados Unidos na Guerra do Vietnã, pela primeira vez o AK, usado pelo Vietnã do Norte, estava frente a frente com o norte-americano M-16, seu principal adversário. A arma dos EUA levou um pau, pois emperrava com umidade e sujeira. Por outro lado, AKs que ficaram enterrados por anos depois da guerra funcionaram (e bem) quando foram desencavadas

1974

INOVAÇÃO

Surge uma nova versão, o AK-74, com um terço a menos do coice do AK-47. O cabo e a coronha, antes de madeira, passam a ser de polímero, o que o deixou mais leve (3,4 kg). As balas diminuem (5,45 x 39 mm), mas ficam mais letais, fragmentando-se dentro do corpo

1979-1989

GUERRA DO AFEGANISTÃO

Pela primeira vez o AK é usado contra os soviéticos. Em plena Guerra Fria, os mujahedins (“guerreiros sagrados”) do Afeganistão procuraram a assistência dos EUA. Assustados com o alto poder de destruição do AK-74, eles reivindicam armas iguais ao governo norte-americano, que passa a comprá-las, principalmente na China

1989

MERCADO DE ARMAS

Milhares de AKs alimentam a guerra civil que se alastra no Afeganistão. Nos anos seguintes, o fuzil se espalha por países vizinhos, criando rotas de armas que duram até hoje. Nesse momento, era possível comprar versões fabricadas artesanalmente em países do Oriente Médio. O modelo soviético custava em média US$ 1.400, o chinês US$ 1.150 e o artesanal, bem mais barato, US$ 400

Fim dos anos 90

ÁFRICA EM FÚRIA

Devido ao baixo custo e à alta confiabilidade, o AK se espalha pela África. Estima-se que de 1990 até os anos 2000, o continente tenha enfrentado mais de 100 conflitos armados. Nessa época, um AK poderia ser comprado por míseros US$ 10

1993

PAZ EM MOÇAMBIQUE

Após o fim da guerra civil, há entre 5 e 10 milhões de armas no país, a maioria AKs. Seu impacto cultural é tão grande que vai para a bandeira moçambicana (além disso, está no brasão de armas do Zimbábue)

Começo dos anos 90

GUERRA ÀS DROGAS

O tráfico internacional cresce vertiginosamente. O arsenal que sobra com o fim das guerras civis de independência da América Central e o colapso da URSS se desloca para grupos guerrilheiros e cartéis de drogas na América Latina.. Devido à resistência em qualquer tipo de situação e ambiente, o AK é perfeito para grupos localizados na úmida Floresta Amazônica

2005

PACOTE VENEZUELANO

Hugo Chávez, presidente da Venezuela, encomenda 100 mil AKs. Anos antes, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) haviam comprado modelos com problema de reabastecimento na América Latina. Por causa disso, Chávez é acusado de querer municiar as Farc

Fonte: Livro AK-47 – A Arma Que Transformou a Guerra, de Larry Kahaner

Newsletter Conteúdo exclusivo para você
E-mail inválido warning
doneCadastro realizado com sucesso!