Logo ME

O que significam http, www, com e br?

ME_160_44_A ME_160_44_A

ME_160_44_A (/)

Pergunta da leitora – Poema Modesto de Lourenço, Belo Horizonte, MG

http://www.mundoestranho.abril.com.br

http://

É a sigla, em inglês, para protocolo de transferência de hipertexto. Trata-se do padrão adotado mundialmente para transmitir conteúdo em um formato que pode incluir imagem, texto e links. A sigla https refere-se a uma versão mais segura, com dados encriptados

www.

É a abreviação de world wide web, ou rede com amplitude mundial. Esse é o sistema por onde circulam as informações em hipertexto. É formado por milhões de sites e computadores conectados

.com

Abreviação de comercial. Indica que a organização dona daquele site ou e-mail tem fins comerciais – é o caso da maioria das empresas. No Reino Unido, usa-se apenas “co”

.br

Mostra que o domínio do site é no Brasil. Essa sigla final varia conforme o país (vide boxe). Não existe nos sites dos EUA, porque, no início da era virtual, o país era o único com internet

Quem te viu, quem TV

O domínio .tv, usado por sites sobre TV, seriados etc., pertence a Tuvalu – arquipélago asiático que recebe US$ 2 milhões anuais pela concessão até 2021

Ao redor do mundo

Outros indicadores de domínios

.uk

Reino Unido (em inglês, United Kingdom)

.de

Alemanha (em alemão, Deutschland)

.nl

Países Baixos (em holandês, Nederland)

.py

Paraguai (em espanhol, Paraguay)

.au

Austrália

.at

Áustria

.il

Israel

.ca

Canadá

Sem o “com”

Algumas siglas que definem sites não comerciais

.edu: entidades educacionais

.gov: sites do governo

.org: organizações não comerciais

.mil: sites militares

.int: organizações intergovernamentais

.net: originalmente, usado por provedores de internet. Hoje, é uma alternativa quando o endereço finalizado em “.com” já existe

FONTES Prodeb, Universidade Federal da Bahia, Unicamp, Georgia State University (EUA) e site BBC consultoria João Carlos Lopes Fernandes, professor do curso de engenharia de computação do Instituto Mauá de Tecnologia, e Renata Galante, professora do Instituto de Informática da UFRGS